Quando o novo filme dos X-Men foi anunciado, a alegria foi dupla. Primeiro por se tratar de uma sequência do excelente X-Men: Primeira Classe, o melhor filme dos mutantes no cinema. Segundo, por ser uma adaptação de Dias de um Futuro Esquecido, uma das melhores histórias do grupo nos quadrinhos.

Havia, no entanto, algumas dúvidas. Será que o retorno do diretor Bryan Singer no lugar de Matthew Vaughn mudaria o tom adotado em Primeira Classe? Será que haveria espaço para os mais de 20 mutantes anunciados? E será que o retorno de Hugh Jackman tornaria o filme mais um “Wolverine e seus amigos”?

As respostas são parciais, porém satisfatórias. X-Men: Dias de um Futuro Esquecido cumpre bem as expectativas e consegue integrar o elenco da trilogia original com os personagens apresentados em Primeira Classe. A trama envolvendo viagem no tempo serve para consertar alguns furos na cronologia, e criar outros.

X-Men: Dias de um futuro esquecido

Das dezenas de mutantes anunciados ao longos do meses que antecederam a estreia, boa parte deles faz apenas algumas pontas. É o caso de Bishop, Homem de Gelo, Blink, Mancha Solar, Apache, Tempestade, Colossus e até mesmo a Lince Negra. Outros são meros figurantes, como Vampira, Destrutor, Groxo e Ink.

Apesar disso, dessa vez Wolverine não é o protagonista da trama. Embora seja ele o viajante no tempo, e não a Lince Negra (como nos quadrinhos), quem realmente protagoniza a trama é o trio formado pelo Professor Xavier de James McAvoy, o Magneto de Michael Fassbender e a Mística de Jennifer Lawrence. Wolverine e o Fera (Nicholas Hoult) acabam ficando um degrau abaixo.

Entre os novos personagens, dois destaques. Primeiro, o excelente Mercúrio de Evan Peters, responsável pela cena mais legal do filme, comparável àquela abertura de X-Men 2 com Noturno invadindo a Casa Branca.

Segundo, o Bolivar Trask interpretado por Peter Dinklage, o anão Tyrion de Game of Thrones.

É este quem cria os Sentinelas, os clássicos robôs gigantes dos quadrinhos, que se tornaram tão populares com o desenho dos X-Men na década de 1990.

Os Sentinelas têm seu papel, mas é notável que o discurso sobre intolerância contra os mutantes (que desde a origem dos X-Men é a principal alegoria da opressão às minorias) acabou deixado de lado neste filme. Há uma cena sobre a dependência química minando o potencial de uma pessoa, mas praticamente nada sobre racismo, sexismo e outras formas de discriminação.

Dias de um Futuro Esquecido

No filme, o gene mutante da transmorfa Mística é um dos fatores chaves para que os Sentinelas adaptem-se aos poderes mutantes e possam evoluir até gerar o futuro distópico que os X-Men tentarão evitar voltando no tempo.

E é nos anos 1970 que boa parte da ação do filme acontece, apesar de as sequências de batalha serem mesmo aquelas divulgadas no teaser, com os X-Men que sobraram no futuro (Bishop, Apache, Homem de Gelo, Blink, Mancha Solar, Colossus e Lince Negra) lutando contra os Sentinelas evoluídos, apanhando e dando um pequeno salto de volta no tempo.

Só quando o grupo formado por Xavier, Magneto, Wolverine e Tempestade encontra esses mutantes é que é possível fazer uma viagem no tempo mais distante, graças ao poderoso fator de cura de Logan.

O ponto negativo do filme vai para a repetição do recurso de utilizar Magneto inicialmente como aliado e, no ato final, novamente como vilão. Algo que já havia sido usado em X-Men 2 e em Primeira Classe e que não precisava ser repetido. Os mutantes têm tantos antagonistas interessantes além do Mestre do Magnetismo…

A sensação final é que quem comanda o destino dos X-Men no cinema não quis deixar uma cronologia amarrada ao final de Dias de um Futuro Esquecido, deixando um campo aberto de possibilidades para decidir o que vale e o que não vale mais em relação aos eventos passados nos seis filmes anteriores.

Bom para quem tiver que trabalhar em possíveis sequências, ruim para quem tenta entender a confusa linha do tempo dos Filhos do Átomo no cinema.

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

Direção: Bryan Singer.

Roteiro: Simon Kinberg, Jane Goldman, Matthew Vaughn.

Elenco: Hugh Jackman, Michael Fassbender, James McAvoy, Jennifer Lawrence, Nicholas Hoult, Peter Dinklage, Ellen Page, Shawn Ashmore, Omar Sy, Evan Peters, Josh Helman, Halle Berry, Bingbing Fan, Patrick Stewart e Ian McKellen.

Duração: 2h12min

Estreia: 22 de maio de 2014

Nota do Mude.nu: 7,5

Receba as atualizações

Publicado por Walmar Andrade

Criador do Mude.nu, Walmar Andrade é bacharel em Comunicação Social, com extensão em jornalismo on-line (UFPE), MBA em Planejamento, Gestão e Marketing Digital (FECAP-SP) e Master en Comunicación Empresarial (INSA-Barcelona). Escreve sobre comunicação e marketing digital no blog Fator W.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *