Pagar ou não por um treinador pessoal? Eis a dúvida que habita a cabeça de milhares de pessoas que estão no desafio de entrar em forma.

A dúvida se justifica. Além de a contratação de um treinador pessoal (também chamado de coach ou personal trainer pelo povo de Greenville) não ser tão barata, a maioria de nós entende que boa parte das informações de que precisamos estão na internet. No máximo, a alguns livros de distância.

Ora, se eu tenho as informações de que preciso de graça, por que pagaria alguém para me dar informações semelhantes? Por que preciso pagar um nutricionista para ele me mandar fazer um prato colorido e comer de três em três horas? Ou pagar um personal trainer para ele montar um treino semelhante ao que o instrutor da academia faz?

Pensar desta forma é acreditar que você, que leu algumas dúzias (se muito) de artigos sobre nutrição na internet, tem o mesmo conhecimento de alguém que passou anos na graduação de nutrição, mais algum tempo em uma especialização e outras centenas de horas aplicando esses conhecimentos a dezenas de pacientes.

Se considerarmos desta forma, os clubes de futebol poderiam economizar milhões por ano cortando o cargo de treinador e dando alguns livros, links e DVDs para os jogadores aprenderem como jogar sem precisar de um treinador.

É fato que um treinador pessoal não é necessariamente essencial para todas as pessoas. Mas há muitas situações em que vale a pena contratar uma ajuda mais especializada, principalmente se você já está no desafio há algum tempo e vê pouco ou nenhum progresso. Eis algumas vantagens:

  • Treino personalizado: essa é a mais básica. O instrutor da academia vai passar um treino geralzão e vai ter que ficar de olho em outras pessoas enquanto você treina. Um personal trainer estará acompanhando dia a dia. Isso otimiza o treino, evita lesões e permite ajustes pontuais à medida em que você vai evoluindo. O mesmo vale para os nutricionistas.
  • Comprometimento: se você está gastando uma grana com um personal e tem um horário marcado às 18h, é muito difícil que falte ao treino por estar com preguiça ou cansado. Quando somos só nós mesmos, é mais fácil farrapar.
  • Motivação: um treinador ao seu lado tem também o papel de motivar, de fazer você dar 110% nos treinos, de sempre exigir um pouco mais em relação ao treino anterior.
  • Conhecimento especializado: estamos aqui dando o exemplo das academias de ginástica, pois é o exercício mais procurado por quem quer perder peso ou ganhar massa muscular. Mas há muitas áreas em que o conhecimento especializado de um personal trainer é essencial. Corrida, natação, ciclismo e diversos outros esportes possuem muitos detalhes que um olhar especializado pode ajustar com facilidade, enquanto um leigo ou nem enxergaria ou não saberia como ajustar.

Se você não tiver dinheiro para bancar um personal trainer por muito tempo, experimente contratar ao menos uma consultoria, alguém que mostre o caminho das pedras, que monte um treino e um plano de alimentação para você seguir. Em intervalos regulares, você pode retornar a este profissional para avaliar o seu progresso.

Receba as atualizações

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *