“Se você consegue diagnosticar seus hábitos, pode transformá-los no que quiser”. Com essa frase de efeito, o jornalista investigativo americano Charles Duhigg explicita o tema central do livro O Poder do Hábito: Por que fazemos o que fazemos na vida e nos negócios.

Apesar do título de auto-ajuda, a obra de Duhigg é uma excelente compilação de pesquisas científicas sobre como os hábitos dominam nossas vidas, entremeadas por histórias muito bem escritas de casos reais. Casos que vão desde o estudo de pacientes que perderam partes do cérebro que comandam a memória até a criação de novos produtos de limpeza ou da indústria musical.

O loop do hábito.

O loop do hábito.

O principal mérito do livro é explicar detalhadamente como os hábitos são formados e como eles funcionam. Por meio da tríade “deixa -> rotina -> recompensa” (chamada no livro de Habit Loop), podemos entender por que o cérebro precisa tanto de hábitos, já que eles economizam energia e são fundamentais para nossa própria sobrevivência.

Pense no tanto de esforço, tempo e energia necessário para fazer algo pela primeira vez. Amarrar os cadarços do sapato, por exemplo. Agora compare com o esforço, tempo e energia despendidos depois que isso é feito centenas de vezes e se torna um hábito.

Duhigg mostra gráficos de aparelhos que mediram a atividade cerebral de ratos durante a execução de um “hábito”. Dados do Departamento de Ciência do Cérebro e Cognitiva do MIT mostram que o cérebro entra em uma espécie de piloto automático quando está realizando algo com o que está acostumado. É um dos trechos mais interessantes do livro:

Dentro do prédio que abriga o departamento de Ciências Cerebrais e Cognitivas do Massachusetts Institute of Technology há laboratórios que contêm o que, para um observador leigo, pareceriam salas de cirurgia de uma casa de bonecas. Lá existem bisturis minúsculos, pequenas brocas e serras em miniatura de menos de 6 milímetros de largura presas a braços robóticos. Mesmo as mesas de operação são muito pequenas, como se preparadas para cirurgiões do tamanho de crianças. As salas são sempre mantidas numa temperatura de 15 graus, pois um toque gelado no ar estabiliza os dedos dos pesquisadores durante procedimentos delicados. Dentro desses laboratórios, os neurologistas abrem os crânios de ratos anestesiados, implantando sensores minúsculos capazes de registrar as menores alterações dentro de seus cérebros. Quando os ratos acordam, mal parecem notar que agora há dezenas de fios microscópicos espalhados, como teias de aranha neurológicas, dentro de sua cabeça.

Esses laboratórios tornaram-se o epicentro de uma revolução silenciosa na ciência da formação de hábitos, e os experimentos realizados aqui explicam como Eugene – assim como você, eu e todo mundo – desenvolveu os comportamentos necessários para sobreviver a cada dia. Os ratos desses laboratórios esclareceram os processos complexos que acontecem dentro de nossas cabeças sempre que fazemos algo tão mundano como escovar os dentes ou tirar o carro da garagem em marcha aré. E para Squire, esses laboratórios ajudaram a explicar como Eugene conseguiu aprender novos hábitos.

Quando os pesquisadores do MIT começaram a trabalhar com hábitos nos anos 1990 – mais ou menos à mesma época em que Eugene foi acometido de sua febre -, eles ficaram curiosos sobre um nó de tecido neurológico conhecido como gânglios basais. Se imaginarmos o cérebro humano como uma cebola, composto de camadas sobrepostas de células, então as camadas de fora – as mais próximas do couro cabeludo – são geralmente os acréscimos mais recentes de um ponto de vista evolutivo. Quando você cria uma nova invenção ou ri da piada de um amigo, são as partes mais externas do seu cérebro que estão em ação. É lá que acontecem os pensamentos mais complexos.

Mais fundo dentro do cérebro e mais perto do tronco cerebral – onde o cérebro encontra a coluna – há estruturas mais antigas, mais primitivas. Elas controlam nossos comportamentos automáticos, como respirar e engolir, ou a reação de susto que sentimos quando alguém pula de trás de um arbusto. Mais para o centro do crânio há um nó de tecido do tamanho de uma bola de golfe, que é parecido com aquilo que se encontra dentro da cabeça de um peixe, réptil ou mamífero. Esses são os gânglios basais, um oval de células que, durante anos, os cientistas não entendiam muito bem, a não ser por suspeitas de que ele desempenhava um papel em doenças como o mal de Parkinson.

No começo dos anos 1990, os pesquisadores do MIT começaram a cogitar que os gânglios basais talvez pudessem ser essenciais para os hábitos também. Notaram que animais com lesões nos gânglios basais de repente começavam a ter problemas com tarefas como aprender a atravessar labirintos ou memorizar como abrir recipientes de comida. Decidiram fazer experimentos usando novas microtecnologias que lhes permitiam observar, nos mínimos detalhes, o que estava acontecendo dentro da cabeça de cada rato enquanto ele realizava dezenas de rotinas. Numa cirurgia, inseria-se no crânio do rato algo parecido com um pequeno joystick com dezenas de fi os minúsculos. Depois disso, o animal era colocado num labirinto em formato de T com chocolate numa das pontas.

O labirinto era estruturado de modo que cada rato ficasse posicionado atrás de uma divisória, que se abria fazendo um clique alto. No começo, quando um rato escutava o clique e via a divisória desaparecer, geralmente ia e voltava pelo corredor do meio, farejando os cantos e arranhando as paredes. Parecia sentir o cheiro do chocolate, mas não conseguia descobrir como achá-lo. Quando chegava ao topo do T, muitas vezes virava à direita, afastando-se do chocolate, e depois acabava indo para a esquerda, às vezes fazendo uma pausa sem nenhum motivo óbvio. Por fim, a maioria dos animais descobria a recompensa. Mas não havia padrão discernível no caminho deles. Era como se cada rato estivesse dando um passeio descontraído, sem pensar.

As sondas nas cabeças dos ratos, no entanto, contavam uma história diferente. Enquanto cada um deles percorria o labirinto, seu cérebro – e em particular, seus gânglios basais – trabalhava intensamente. Cada vez que um rato farejava o ar ou arranhava uma parede, seu cérebro explodia de atividade, como se analisando cada novo cheiro, imagem e som. O rato estava processando informações durante todo o tempo em que perambulava.

Os cientistas repetiram o experimento diversas vezes, observando como a atividade cerebral de cada rato se alterava conforme percorria centenas de vezes a mesma rota. Uma série de mudanças lentamente surgiu. Os ratos pararam de farejar cantos e virar para o lado errado. Em vez disso, atravessavam o labirinto cada vez mais depressa. E dentro de seus cérebros, algo inesperado aconteceu: conforme cada rato aprendia a se orientar no labirinto, sua atividade mental diminuía. À medida que o caminho se tornava cada vez mais automático, os ratos começaram a pensar cada vez menos.

Quem vai atrás apenas de um livro sobre como modificar seus próprios hábitos pode acabar decepcionado. Essa seção está presente apenas no anexo final do livro e, como o próprio autor esclarece, não é uma receita de bolo válida para todos.

Receba as atualizações

Publicado por Walmar Andrade

Criador do Mude.nu, Walmar Andrade é bacharel em Comunicação Social, com extensão em jornalismo on-line (UFPE), MBA em Planejamento, Gestão e Marketing Digital (FECAP-SP) e Master en Comunicación Empresarial (INSA-Barcelona). Escreve sobre comunicação e marketing digital no blog Fator W.

4 Comentários

  1. Quase comprei esse livro. Obrigado pela resenha @Walmar
    Tenho estudado bastante sobre ciências cognitivas e tipos de simulações e modelagens para ajudar compreender meu comportamento e das pessoas. A obra mais esclarecedora é do Daniel Kahneman, condensada em “Rápido e Devagar” – http://www.amazon.com.br/R%C3%A1pido-e-devagar-ebook/dp/B00A3D1A44 .

    Responder
  2. Excelente artigo, @Walmar! Estava mesmo querendo saber mais sobre esse livro. Obrigado! Abs!!!

    Responder
  3. […] do excelente O Poder do Hábito, mais teórico, este livro visa mais ao lado prático da formação de […]

    Responder
  4. Eu também estava pra compra-lo.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *