Os seres humanos têm uma forma bastante peculiar de ver a vida. A maioria de nós imagina a vida como uma linha reta, que vai do nascimento até a morte. O momento atual é apenas um ponto que vai se deslocando, cada vez mais longe do nascimento, cada vez mais próximo da morte.

No livro O Poder do Agora, o autor Eckhart Tolle argumenta que essa é uma maneira extremamente equivocada de ver a vida. E que esse é um dos grandes motivos para o sofrimento.

A ideia defendida por Tolle – que encontra ressonância em muitas filosofias orientais antigas, como o budismo – é que a vida é somente o ponto. Não existe a linha reta.

Você pode ter um ataque cardíaco agora e cair morto antes mesmo de terminar de ler este post. Embora conscientemente saibamos disso, não é assim que agimos. Agimos quase sempre como se estivéssemos caminhando na imaginária linha reta.

Eckhart Tolle defende que absolutamente nada existe fora do momento presente. Nem nós mesmos existimos. O passado é apenas uma série de lembranças e o futuro apenas uma série de expectativas.

O Poder do Agora, de Eckhart Tolle

Os pobres e o céu

Ao ler o livro, lembrei-me de trechos de ensinamentos católicos que tive na infância. Um do qual sempre fui bastante crítico foi um dos ensinamentos de Mateus, que dizia “Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu”.

A ideia implícita, na minha interpretação, é que devemos nos contentar com o sofrimento presente para recolher alguma recompensa no futuro.

Isso pode ser aplicado tanto para passar uma vida toda em sofrimento para, depois de morto, desfrutar as maravilhas do céu quanto para um atleta que treina durante quatro anos para obter alguns minutos de recompensa ao conquistar uma medalha em uma olimpíada.

E não é assim que a maioria de nós vive a vida?

Como podemos achar normal perdermos o crescimento de nossos próprios filhos enquanto estamos enfiados no escritório, garantindo um “futuro tranquilo”? De onde vem nossa certeza de que esse futuro realmente existe e que nós estaremos nele?

A prática

Praticar o agora não é algo simples, porque estamos condicionados durante toda nossa existência para encarar a vida como a linha reta que vai do nascimento à morte. Todo o sistema econômico e cultural no qual estamos inseridos enxerga a vida dessa maneira.

No livro, o autor sugere a prática da meditação como uma maneira de treinar sua mente para estar presente na maior parte do tempo.

Outra prática seria você rever toda sua estratégia de vida. Se você deseja experimentar alguma coisa em sua vida, ela deve existir de alguma forma no momento presente.

Em um exemplo clássico, se você quer ter riqueza e liberdade, economizar centavos e trabalhar 18 horas por dia não formam uma boa estratégia. Pois embora seja um caminho para conseguir riqueza e liberdade no futuro, você não sabe se estará lá no futuro. Se tudo o que você tem é o momento presente, não deve sacrificar riqueza e liberdade para conquistar riqueza e liberdade.

Qual o sentido de trabalhar para criar um futuro de riqueza e liberdade se a sua realidade presente é justamente o oposto disso?

Apegar-se a ideias de um futuro ideal, acreditando que um dia tudo estará bem, é um caminho certeiro para diminuir o seu prazer de aproveitar o momento presente.

Projetos de longo prazo

Toda a teoria é bonita, mas como aplicá-la em projetos de longo prazo?

Por mais que queiramos, há inúmeros itens em nossas vidas que precisam ser planejados e pensados para o futuro.

Essa é uma questão que o livro O Poder do Agora não aborda de uma forma satisfatória, no meu ponto de vista. Por isso, deixo aqui minha contribuição, baseando-se em outro livro, A Arte de Fazer Acontecer, em que a metodologia GTD é ensinada.

A verdade é que nenhum de nós consegue executar um projeto de longo prazo. Você não pode perder 15 quilos. Você pode apenas comer menos e melhor na sua próxima refeição. Você não pode construir uma casa. Você pode apenas colocar mais um tijolo. Você não pode abrir uma grande empresa. Você pode apenas ir na junta comercial e registrar seu CNPJ.

Um projeto de longo prazo nada mais é do que uma série de pequenas ações concatenadas. E as pequenas ações, a menor unidade realizável, são executadas justamente no momento presente.

Se focarmos nas pequenas ações como um raio laser, totalmente presentes no momento atual, derrubaremos uma a uma, até que o nosso projeto de longo prazo esteja concluído. Isso é a suprema simplicidade e a melhor maneira de não nos sentirmos sobrecarregados. Construir uma casa pode parecer algo difícil, mas colocar um tijolo a mais na parede é bastante simples.

O que é a vida? A vida é aquilo que passa enquanto estamos fazendo planos. – John Lennon

Esse, no final, é o principal argumento de Tolle no livro O Poder do Agora: ao focarmos no momento presente, estamos desfrutando do melhor da vida ao mesmo tempo em que construímos nosso futuro, se ele existir. Da maneira tradicional, nós ficamos focando no futuro, esperando que tudo um dia esteja bem, enquanto vamos perdendo o que vai acontecendo no momento presente, o único que existe em nossas vidas.

Receba as atualizações

14 Comentários

  1. Quem são os pobres de espírito?

    São aqueles que não tem o conhecimento de Deus, às vezes, são ricos, financeiramente, mas pobres de espírito. É vazio por dentro, e precisam que alguém venha para trazer a eles o conhecimento da Palavra verdadeira de Deus.
    [http://estudosbiblicosonline.com.br/?p=138]

    Responder
    • melhor seria dize-lo:bem aventurados os pobres pelo espirito, eles entrarao no reino dos céus…ou seja, pobre aquele que nada tem, entao s{o o espirito puro adentrará ao reino dos ceus, sem perispirito, sem alma, sem ego, sem personalidade, sem apego algum, renuncia total ao mundo material, esse entrará no reino dos ceus, voltara para casa, nosso ninho…jesus disse: as raposas tem covis, mas o filho do homem nao tem onde recostar a cabeca, neste universo material nao temos onde recostar a cabeca, so quando adentrarmos ao reino do pai…

      Responder
  2. RT @mude_nu: O Poder do Agora: uma nova forma de ver a vida http://goo.gl/fb/ihfrA

    Responder
  3. Se tudo o que você tem é o momento presente, não sacrifique riqueza e liberdade para conquistar riqueza e liberdade. http://bit.ly/mHuZNY

    Responder
  4. Esse livro me ajudou muito. Eu tenho tendëncia a viver no futuro, onde supostamente as coisas serão melhores. Vivi assim boa parte da vida, até uns 35 anos de idade. Hoje já tento equilibrar melhor as coisas.

    Acho que o livro não explora essa parte prática mesmo, de como planejar, e não acho que precise. Pois para isso já existe muita literatura e conhecimento acumulado. Eu fiz faculdade de administração, trabalho com marketing e finanças, o que não falta é ferramenta de planejamento do futuro.

    O conceito poderoso pra mim é que só o presente existe. E que ele passa instantaneamente. E as pessoas não se dão conta disso.

    É uma mudança de visão. Você continua fazendo basicamente as mesmas coisas, só que com foco no presente. Só pula para o futuro ou passado quando estritamente necessário, o restante do tempo fica no presente. O oposto do que eu era, constantemente no passado ou no futuro, e somente ocasionalmente no presente, quando uma emoção muito forte, negativa ou positiva, me obrigava a ficar no presente.

    Abraços
    Rodrigo

    Responder
    • Também agi assim durante muito tempo na minha vida. E isso só gerava ansiedade e frustração, mesmo sendo bem sucedido, sempre focava o futuro e nunca desfrutava nada.

      Agora tento ser mais coerente com meus objetivos de vida e buscar realizar nas minhas ações o que faz (e/ou fará) bem pra mim. Quero apenas conseguir saber e agir nas pequenas ações certas. As pequenas ações que fazem o caminho, mas as vezes nos perdemos e damos mais importância e dedicamos mais tempo ao que não vale a pena. Mas aprendi que é um processo, que aos poucos vou adaptando, a culpa pelo passado não leva a nada.

      GRANDE ABRAÇO!

      Responder
  5. esta ideia do Agora ditatorial já é antiga.O filósofo Parmenides de Eléia (500 a.c.) já fazia esta apologia. Na bibliia em Mat 6:25-34, Jesus nos instui sobre a ansiedade pelo porvir como fonte de sofrimento, nos mostrando que Deus é quem nos sustenta. Mas esta ideia manipulada da existencia apenas do presente é ridicula. Se o passado nao existe, tudo que está à nossa volta, simplesmente tudo, incluindo nós mesmos, nao existiria. Se o futuro nao existe ou existirá, nem uma letra seguindo a outra eu teria conseguido colocar nestte espaço de texto.O futurov existe sim, mesmo que voce esteja numa cova. O passado existe sim mesmo que voce nao tivesse nascido. Bela tentativa esta do Ekhart Tolle O presente é que nao existe mesmo, ou, digamos, existe como divisao infinitesimal etre o passado e o futuro. Mais um guru, mais uma falsa teoria da felicidadde, mais mentes capturadas por “grandes”mestres. Até quando precisaremos de ídolos com suas singularidades nos fisgando em seus sistemas que se tornam altamente lucrativos. Isto ja virou uma fonte de renda ao Ekhart, portanto ele a defenderá com unhas e dentes

    Responder
    • Caros Amigos

      Aqui estou, atraído por um colega de trabalho que se dizia animado pela ideia de não mais precisar olhar pelo “retrovisor do tempo”, e nem usar o “binóculo do bom senso” para olhar o futuro incerto, pois certo mesmo só existe o “agora”, base teórica da obra em questão.
      Portanto, concordo com o comentário do Carlos, do dia 14/05/2012, em gênero de pensamento e em grau de relativa profundidade, haja vista, o grande número de opositores que, subliminarmente, tentam impor-nos suas teorias da “negação de conjunto”, em detrimento da lógica de que somos “interdependentes do passado, do futuro e da ordem cósmica”.
      Somos, por natureza, admiradores do contraditório, na razão direta que quanto mais teorias e opções discordantes existirem, mais encruzilhadas teremos para escolher, derrubando a unanimidade, que muitos dizem-na burra e retrógrada, o que é relativo… Baseados nessa natureza, os atentos formadores de opinião lançam dúvidas, através de ideias que, geralmente, estão juntas e misturadas com “meias verdades”, pontuando e apostando naquilo que trás seguidores, proporcionando para si, fama, fortuna e a “subversão da ordem”.
      Vigiemos, pois, para não cairmos nem nas tentações, e nem nas armadilhas colocadas ao longo do caminho, maquiadas de verdades relativas, mas, palatavelmente, absolutas.
      Um abraço fraterno, focado em Jesus, que é o caminho, e o é suficiente para este nível da relativa evolução humana.

      Responder
    • Em nenhum momento ele diz que o “passado não existe”. Ele apenas aponta que grande parte do sofrimento dos humanos é agir “conforme o fluxo” por grande influência da bagagem ruim que temos do passado, e “agir com medo” de que no futuro iremos desfrutar tudo aquilo que não vivemos no presente. Você perdeu completamente a essência do livro, Carlos.

      O “não existir” é uma alegoria a reduzir a influência destes dois pontos para um nível menor do que a influência do presente.

      Responder
    • Pelo que entendi do livro, o qual ainda estou lendo, o passado não existe, ele existiu, o futuro não existe, ele poderá existir para mim daqui um minuto, uma década ou mais se eu estiver vivo, o único momento que podemos viver é no agora… Daí vem o problema de quem vive psicologicamente remoendo questões passadas com culpa, decepções etc ou no futuro em que projeta, com medo, ansiedade … enquanto o agora acontece e ele não percebe… Verifiquei que o autor destaca que para as questões práticas o passado existiu para retirarmos nossa aprendizagem e experiência do que fazer agora e o futuro existirá para definirmos objetivos, mas é no agora que tomamos atitudes e decisões que poderão influenciar este futuro. Ao menos para mim, está sendo uma leitura bastante proveitosa, de um ponto de vista que eu ainda não havia pensado.

      Responder
  6. A reflexão é um belo ponto de partida. Faz-nos refletir sobre o que vivemos, as coisas que nos afligem e as expectativas que criamos. Particularmente, acredito que isto sirva para quem quer abandonar tudo e começar do zero. Pra quem tem responsabilidades, filhos, trabalho, contas para pagar e etc., o viver pensando somente no presente acaba sendo uma fuga de tudo isso, que não resolve o problema, na verdade até o agrava.
    Também não acho que haja problema na metodologia quanto os projetos de longo prazo. É a própria ideia do Poder do Agora que mata a questão: você não deve ter planos futuros. E aí novamente entra a questão… se você não tem nada, ótimo, é possível viver somente o hoje, aprisionado – olha que ironia – pelos instintos mais primitivos de fome, sede e sexo; se você tem, você cria expectativas, suas expectativas se baseiam na sua experiência ou na experiência dos outros, e aí todo o Poder do Agora cai por terra.

    Responder
  7. Bom, eu entendi o texto da forma que eu venho entendendo o mundo ultimamente, depois de ler bastante e ter começado a meditar. A questão é, não é que o passado e o futuro não existem. Eles existem, mas acredito que essa abordagem queira mostrar que é necessário ter plena atenção no momento presente, sem criar expectativas e ansiedade, sem se culpar por erros do passado, pelo contrário, tirando dos erros a experiência e evolução; vivendo assim um dia de cada vez, com calma e aproveitando tudo que a vida pode nos dar. Para concluir isso, li “As sete leis espirituais do sucesso”, de Deepak Chopra, diversos artigos e principalmente os posts aqui do Mude.Nu. Espero ter ajudado, abraços!! :)

    Responder
    • Eu já tava inspirada a ler o livro, depois de uma indicação que veio a ocorrer durante um desabafo sobre passado, presente e futuro, e a fazer um curso de meditação e técnicas de respiração…
      Depois de ler os outros comentários e, principalmente, o seu, só tive mais certeza que é disso que preciso: dessa leitura e desse curso, além de ter me sentido motivada a ler esse outro livro que você citou.
      Obrigada por isso, mesmo sem querer! ;)

      Responder
  8. Boa noite…
    De tantos comentários existentes aqui, concordo praticamente com todos,mas por assim dizer isto no fim de tudo o que eu acredito é que realmente o que se aplica aqui é que temos sim de viver o agora, não concordo ao se retirarem as culpas, pois todos temos sempre nem que seja 1 por cento de culpa em muitas situações não somos perfeitos mas tentamos Ser, e ao tentar erramos, até ao acharmos estar a fazer o bem, poderemos fazer o mal no ponto de vista de alguém presente. Pois todos temos sim uma essência e nessa essência temos que viver o agora e acreditar que esse livro é simplesmente uma forma de viver com menos pressão do amanha do futuro, o agora não quer dizer que eu esteja presente para o mundo, o agora pra mim pode ser ouvir uma música , onde ninguém consegue ouvir por ter fones, o agora é individual ou em grupo, portanto quem entender o livro não entrara na ilusão,mas sim vai apenas alertar as pessoas para acalmar, visto que estamos num século acelerado, portanto acreditar que ira correr tudo bem, pois a mente muitas vezes constrói aquilo que não se deve, e nesse estado sim iremos ter culpa por termos pensado negativamente no amanha, ou em qualquer outro assunto portanto culpa temos,. Este livro serve de auto ajuda..
    E muitos mais como este.
    Aprender a entender o livro. E com sabedoria fazer o que melhor se adequa a cada um.. Não viajar nos pensamentos estamos a ler mas não estamos a entrar dentro do livro

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *