Está na hora de mudar de profissão? Talvez sim!

Eu possuo uma carreira profissional relativamente incomum. Sou graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, mas desde os primeiros períodos do curso de bacharelado comecei a estudar e me interessar por tecnologia.

Esse interesse me fez ingressar em algumas agências web e empresas de software e desde o início da minha vida profissional eu jamais atuei na área em que sou graduado.

Hoje, 6 anos após ter saído da universidade e aproximadamente 7 anos após o início da minha carreira profissional na área de tecnologia, eu estou em busca de novidades e desejo afastar-me um pouco da atuação profissional em áreas mais técnicas para começar a trabalhar com atividades mais humanas, sociais e de liderança.

Estou certo de que esse tipo de mudança não é um desejo apenas meu. Há muitas e muitas pessoas por aí que também desejam realizá-la. Pensando nisso eu resolvi escrever esse artigo contando como cheguei a conclusão de que operar essa mudança profissional é a coisa mais correta a ser feita nesse momento para mim. Talvez seja a coisa mais correta a ser feita por você também! icon wink Está na hora de mudar de profissão? Talvez sim!

Eis os pontos sobres os quais refleti para chegar a essa difícil conclusão. Você também pode refletir sobre eles com o objetivo de tentar aprender um pouco mais sobre o seu desejo pessoal de mudança profissional.

1. As segundas-feiras tornaram-se mais difíceis do que deveriam

Sabe quando você começa a “amaldiçoar” as segundas-feiras e alegrar-se além do normal com a chegada do fim de semana? O Toni Durden tocou nesse assunto ainda ontem, aqui mesmo no mude.nu!

Lembro nitidamente do meu início na área de tecnologia. Eu trabalhava com alguns amigos em um escritório pequeno e bem desorganizado no centro do Recife.

messy office Está na hora de mudar de profissão? Talvez sim!

Éramos jovens desorganizados, mas não tanto assim!

Nessa época era bastante comum colocarmos redes de balanço nas paredes e colchões no chão do escritório e dormirmos por lá mesmo com o objetivo de começar a trabalhar o mais cedo possível no dia seguinte. Nós trabalhávamos muito, ganhávamos muito pouco e ainda assim tudo era incrivelmente divertido!

Após essa fase trabalhei em empresas nas quais costumava chegar às 07h e voltar para casa às 21h com um sorriso enorme no rosto. Nessa época descobri que quando programadores e desenvolvedores dizem que sonham com códigos e descobrem soluções para os seus problemas técnicos durante o sono eles estão falando a verdade. Isso realmente acontece, acredite!

Esses períodos foram maravilhosos e costumo lembrar deles com muita alegria, mas é preciso aceitar o fato de que todo esse ímpeto já não mais existe da forma como existia. E isso aconteceu por conta do ponto seguinte.

2. Meus interesses pessoais, hobbies e investimentos em estudos “mudaram de área”

Acho que você precisa concordar comigo que trabalhar em uma área profissional na qual não estamos realizando investimentos em estudos, cursos e até mesmo networking é algo pouco produtivo e eficaz.

No início desse processo de desejo de mudança cheguei a me condenar por achar que estava sendo preguiçoso e estar fazendo “corpo mole”, mas felizmente concluí que isso não é verdade.

A minha vontade de trabalhar, crescer e aprender permanecem intactas e, arrisco a dizer, são agora maiores do que nunca. O que aconteceu é que os meus interesses pessoais, hobbies e investimentos em estudos “mudaram de área”.

Passar o dia em frente ao computador já não é algo que traz aquela antiga empolgação e sensação de felicidade e realização profissional. Atualmente aprecio apresentar ideias, escrever, palestrar, buscar soluções criativas, exercer liderança e comunicar.

Há alguns anos atrás o meu fim de semana poderia ser completamente dedicado ao ato de permanecer programando e fazendo freelas em frente ao computador, mas hoje prefiro nadar, pedalar, correr ou fazer todas as três coisas juntas durante uma prova de Triathlon ou um treino mais forte de modalidades combinadas.

Hoje prefiro usar o meu tempo para produzir os meus artigos sobre desenvolvimento pessoal, preparar apresentações e palestras e trabalhar em um processo de construção de hábitos de sucesso para mim mesmo e para vocês. Eu realmente gosto de fazer isso e é isso o que desejo fazer profissionalmente.

[box] O tempo muda, os interesses mudam, as motivações mudam e se você acha que tudo isso mudou para melhor então não tenha dúvidas de que isso é progresso![/box]

Acho que muitos de vocês devem estar passando por algo semelhante, não é mesmo? icon wink Está na hora de mudar de profissão? Talvez sim!

mudan%C3%A7a 546x364 Está na hora de mudar de profissão? Talvez sim!

A mudança é inevitável. Viver é sobre mudar!

3. Comecei a descobrir qual o papel que desejo desempenhar na sociedade e o que desejo oferecer às pessoas e ao mundo

Esse é provavelmente o ponto mais importante de todos:

[box] Há um momento na vida quando começamos a refletir e então descobrimos o que podemos(e queremos!) oferecer às pessoas, à sociedade e ao mundo.[/box]

Fazer a diferença é fundamental para quem deseja viver uma vida significativa! E não há outra forma de fazer a diferença que não seja o “fazer diferente”. Quando descobrimos que a nossa motivação mais íntima para acordar todas as manhãs e viver não é mais a mesma e mudou eu acredito que a nossa obrigação passa a ser perseguir o estilo de vida que nos permita oferecer ao mundo o que de melhor podemos oferecer.

Para mim parece claro que manter-me o dia inteiro em frente ao computador lidando com problemas técnicos, produzindo e lendo código não me permitirá dedicar todo o meu potencial ao que realmente desejo fazer: ajudar a mim mesmo e ajudar o maior número possível de pessoas a criarem hábitos de sucesso, motivarem-se, tornarem-se produtivas e realizarem os seus sonhos.

Diante dessa constatação se faz necessário começar a pensar em como obter um estilo de vida que nos permita colocar em prática o que desejamos.

Eu acredito que esse é um momento muito especial na vida de qualquer pessoa e que não dar ouvidos a essa vontade e esse sonho constitui um dos maiores erros que podemos cometer durante a vida. Converse sobre esse assunto com qualquer pessoa de mais idade, alguém que “já tenha jogado esse jogo”, e estou certo de que ela lhe dirá para seguir suas vontades e sonhos.

Não há sentido para não fazer isso! Mude!

Curta nossa fanpage para receber mais conteúdos como este: 

Sobre o autor

Profile photo of André Valongueiro

André Valongueiro é coach em desenvolvimento pessoal e estilo de vida. É jornalista, desenvolvedor web e dedica-se ainda ao triathlon, à música e aos estudos em áreas diversas. Você pode acompanhá-lo no blog Valongueiro Lifestyle, no Twitter, no Facebook, no Instagram e no Google+.

Encare o desafio

5 comentários

  1. Anita comentou em 26/10/2011 às 22:07

    Mudar de profissão para muitos eh um tabu, especialmente quando se trabalha numa empresa por muitos anos. Começar as vezes do zero eh excitante mas ao mesmo tempo você pode acabar se arrependendo por causa de barreiras que você não esperava. Um bom planejamento eh necessário para uma mudança de área, especialmente se a mudança for radical. Eu sou a favor, especialmente se você esta em uma area que nao gosta.

    Um parentese: Interessante os artigos postados nesse site. Fiquei surpresa pelo pouco numero de comentários em artigos tao legais.

  2. Marcia comentou em 18/11/2011 às 16:31

    Acho que não necessariamente vc tem que mudar de profissão.
    A gente cresce, amadurece, cria novos interesses, mas nem por isso largar uma carreira consolidade é a resposta.
    Talvez o que vc sinta falta seja de tempo para vc mesmo. Afinal, trabalhar das 7 as 21h como vc comentou que fazia no passado é quase escravidão, é claro que vc não terá mais o mesmo pique e a mesma alegria de quando era jovem e descompromissado.

    Eu, recentemente, criei um gosto por fazer artesanato. Nem por isso vou largar meu emprego para vender artesanato ou virar artista plástica.
    Na minha visão, o trabalho é algo que vc faz com competência e te dá um retorno financeiro. Raramente trás prazer, se fosse pra fazer por amor, não precisava ser pago pra isso.

    Sei que estou soando pessimista, mas parece que hj em dia é pecado dizer que se trabalha por dinheiro. O mundo é cheio de mantras de “trabalhe no que vc gosta”, “trabalhe por amor”, “faça do escritorio a sua casa”, “dinheiro não importa, e sim satisfação pessoal no trabalho”… pra mim é só uma forma de explorar as pessoas sem que elas reclamem.

    Claro, existem trabalhos que a pessoa odeia, ou mesmo ambientes de trabalho não saudáveis, com muito stress e tal. Mas no geral, não muda tanto. Vc tendo uma segurança financeira e tempo para se dedicar a coisas pessoais (seja família, estudo, viagem, ou qlqr coisa q te agrade), provavelmente não vai encontrar coisa melhor lá fora.

    E pior: mudando de profissão, vai passar a ganhar menos, ter menos tempo, e ainda vai ter que investir de novo em estudos e cursos na area pretendida, cursos que muitas vezes nem são tão legais assim, são apenas necessários.
    Depois de um tempo, a novidade perde o brilho, e volta a ser monotono, os pontos negativos passam a aparecer…
    Acho que só compensa mudar de profissão se for algo muito melhor, por exemplo, de cobrador de ônibus pra engenheiro.

  3. ronaldo comentou em 23/11/2011 às 23:24

    Eu acho que tudo depende dos valores que a pessoa mantém para si. Mudar de emprego não quer dizer apenas mudar o que a pessoa faz para ganhar a vida, mas fazer algo que dê sentido à sua vida. Poucos podem, por exemplo, trabalhar naquilo que gosta e ao mesmo tempo ser bem remunerado por isso, e uma série de fatores interferem nessa decisão, se a pessoa tem dependentes, se está sem dívidas, se está bem de saúde. Se a pessoa não tem nenhum impedimento financeiro ou de qualquer outro tipo, creio que ela deve sim buscar fazer o que lhe agrada, mesmo que ela corra o risco de ganhar menos por isso. Afinal, a pessoa deve conhecer os riscos. Eu mesmo considero migrar de profissão, fazer algo que dê mais sentido à minha vida. Então, não compensa apenas mudar de profissão se você é um cobrador de ônibus e quer virar engenheiro, mas se você faz algo que não te preenche, e decide querer fazer algo que o preencha. Esse é o motivo que vale a pena ;)

  4. Gabriel Silva comentou em 15/02/2012 às 14:34

    Cara, apoio total.
    Eu sou Tecnico em Metrologia. E adoro cálculos e planilhas. Mas estou cursando educação física, pois desde que parei de jogar aos 16 por conta de uma lesão eu sonho em voltar pra área, e nas horas vagas eu estudo feito um cavalo, pois como vou começar de baixo de novo, preciso do diferencial: conhecimento.
    Eu tinha como meta ser engenheiro e hoje voltei ao sonho de ser Fisiologista do Exercicio e pus como meta e apoio você nessa loucura.
    Aos 40, 50 você tem que respirar e dizer: “Eu estou satisfeito com a escolha que fiz!”. Não deixe que o dinheiro comande sua vida, pois tudo na vida dá dinheiro, mas só amar a profissão evita frustrações, doenças e arrependimentos!

  5. Daniela P. comentou em 28/02/2012 às 18:50

    Olá gostei muitos deste site. Também estou no ponto de mudar a minha carreira e vida, além do que, as escolhas feitas por mim qd na epoca da faculdade foram grandemente influenciadas por minha mãe, hj tenho um emprego que me dá dinheiro e conforto e todos os beneficios de uma otima empresa, mas sinto que gostaria de contribuir mais com o mundo e que não faço o que me faz feliz..quero ingressar na faculdade novamente para sair da area de saude, para humanas, desseeo ser sociologa. Apoio total a vc!!!

Deixe um comentário

jfb_p_buttontext

para publicar um comentário

saiba como funciona