Nasci em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, e ao longo da minha infância meus pais alimentaram em mim o amor pelas viagens.

Com muito esforço sempre participei das excursões de escola, morei com minha família por uma temporada na Lagoa da Conceição, Santa Catarina, até pegar meu primeiro avião voltando do Rio de Janeiro aos 14 anos de idade.

Jamais me esquecerei daquela sensação.

Quando fazia Relações Públicas na UFRGS, cruzei o Brasil de ônibus (Caxias do Sul- Fortaleza), levando quatro dias e meio para chegar ao meu destino. Foi uma das experiências mais incríveis que já tive!

Nunca tive medo de correr riscos e, durante toda a minha adolescência e no período da Universidade, cada atitude estava focada no sonho de um dia morar fora do Brasil.

morar-fora-brasil

Sonho de aprender outras línguas, trabalhar e crescer profissionalmente, que pôde ser realizado graças à herança que minha avó Ida deixou: a possibilidade de ter a dupla cidadania – brasileira e italiana.

Quando terminei a faculdade e avaliei aquele momento (dois cargos em empresas importantes e um namorado), vi que não seria nada fácil. Mas aquela vontade era mais que um sonho, era um desafio, e aquele era o momento certo de morar fora.

Morar fora do Brasil: a ida para a Itália

Com a ajuda de um amigo da minha tia que morava na cidade de Gênova e poderia me hospedar, entrei naquele avião.

Vivi na Itália por quatro meses e meio, um pouco em uma casa em meio às oliveiras na Toscana, um pouco em Roma, um pouco nos trens de um lado para outro, e por fim em um apartamento em Gênova de frente para o mar.

Durante algumas noites, escutava uma senhora de 94 anos me contar histórias sobre a Segunda Guerra Mundial e o bombardeio de Gênova por terra e mar.

Morar fora em Gênova

Quando consegui o passaporte europeu, decidi mudar novamente e me transferi para Madrid.

Com a ajuda de uma amiga que já tinha estabelecido uma base confortável lá, pude seguir meus planos. Com pouco dinheiro, estive na casa dela até encontrar um trabalho em meio à maior crise espanhola de todos os tempos. Sem falar espanhol, tive que deixar currículo por todas as partes e finalmente consegui trabalho após um mês e meio.

A vida em Madrid

Permaneci naquela linda cidade ensolarada por dois anos, trabalhando como garçonete da sorveteria Häagen-Dazs.

Sim, caí da escada com uma bandeja cheia, queimei muffins e derrubei sorvetes nos clientes. Mas fui simpática todas as vezes em que atendi Pedro Almodóvar e conheci pessoas incríveis de todos os lugares do mundo. Vivi experiências e dificuldades que me ensinaram a amadurecer. Viajei por muitos lugares: Ibiza, Grécia, Espanha, Portugal e Croácia.

Morar fora trabalhando no Haagen-Dazs

Em janeiro de 2013, decidi mudar novamente. A Espanha não me proporcionava mais o crescimento que eu necessitava, e me transferi para Londres com dinheiro suficiente apenas para pagar dois meses de aluguel, mas com uma mala repleta de coragem, esperança e expectativas.

Londres, o destino final

Em 20 dias em Londres, encontrei um trabalho na minha área (Relações Públicas) e um quarto compartilhado em um apartamento de classe alta em frente ao Rio Tâmisa.

Morar fora em LondresSorte ou coragem de arriscar? Eu diria que, assim como milhares de estrangeiros, é necessário um pouco de cada.

Diariamente vejo a quantidade de jovens e adultos que chegam para “experimentar uma nova vida” nas grandes capitais da Europa.

Alguns cheios de medos, expectativas e sonhos, outros mais preparados e outros ainda precisando de uma orientação.

Esse é o motivo pelo qual fundei uma empresa, a Steps to Fly, para preparar e inspirar esses jovens e adultos na sua decisão de morar no exterior e ajudá-los a planejar e seguir, passo a passo, o sonho de ter uma experiência fora do seu país de origem.

Atualmente moro em Londres, trabalhando para uma empresa de acomodações chamada Cortisso Accommodation Services e para a Steps to Fly, preparando e dando palestras de como começar a vida em Londres.

Meu primeiro livro, com título provisório de “Os 7 passos que você deveria saber antes de morar no exterior” tem previsão de ser lançado em setembro de 2014. O livro conta um pouco da minha história antes e depois de vir para a Europa, além de histórias de pessoas que cruzaram o meu caminho e, principalmente, a importância de conhecer cada um dos sete passos no processo de mudança de país.

Espero, assim, ajudar as pessoas que querem vencer o desafio de morar fora do Brasil.

Receba as atualizações

Publicado por

10 Comentários

  1. UoW!!! Isso é absolutamente fantástico e verdadeiramente épico! =D

    Morar fora do Brasil é um dos desafios mais complexos que temos aqui no Mude.nu e um dos meus grandes desafios pessoais. Esse artigo é completamente inspirador e agora estou ultra curioso para ler detalhes dessa jornada em “Os 7 passos que você deveria saber antes de morar no exterior”.

    Inspirador, essa é a palavra que define. Estou feliz por ter lido isso hoje!

    Parabéns pela coragem e pelo artigo, Roberta. E muito obrigado por compartilhar isso conosco. Sensacional!

    Responder
  2. Que história fantástica. Realmente inspiradora. Coragem, talvez essa é a palavra que te define. Parabéns.

    Responder
  3. Ter cidadania europeia sem dúvida ajuda bastante.

    Responder
  4. Nunca ao menos entrei num avião, aliás nunca ao menos saí do meu estado. Acho que estou preso aqui para sempre…

    Responder
  5. Inspiradora sua história!

    Responder
  6. Muito legal esta história, parabéns pelas inúmeras conquistas!

    Sobre o mesmo assunto ainda, recomendo o blog de um conhecido que também venceu este desafio, foi morar na Austrália e já está nesta aventura há mais de 3 anos e nos conta com muitos detalhes no endereço abaixo:
    http://www.baririensenaaustralia.com/

    Quem sabe em breve não encaro este desafio também ?

    Responder
  7. Moro fora do Brasil a muito tempo em Portugal é muito bom, descobri muita coisa que podia fazer que no Brasil não podia fazer não tem preço essa experiência de morar em outro pais.

    Responder
  8. Quero ir embora no ano que vem. Não tenho a menor ideia de como é morar no exterior e não tenho parentes fora. Mas isso não é o suficiente para e fazer desistir. Vamo que vamo.

    Responder
  9. Olá Roberta, parabéns por sua luta e conquista!
    Poderia nos contar um pouco mais sobre o processo de como conseguiu sua cidadania italiana?

    Responder
  10. Caramba que demais! Um dia eu chego lá também!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *