Você já sentiu isso?

Abrir a página do seu banco na internet e não ter nem ideia de como investir o pouco de dinheiro que você conseguiu guardar?

Não saber exatamente que conhecimentos precisa ter ou que habilidades precisa cultivar para assumir o comando da sua própria vida financeira?

Isso é comum.

A educação formal e até mesmo familiar molda na maioria dos brasileiros o que T. Harv Eker chama, em Os Segredos da Mente Milionária, de mentalidade de pobreza.

A maioria de nós é criada para ser um funcionário padrão, que troca tempo por dinheiro e usa esse pouco dinheiro para pagar as contas e, quem sabe, investir o pouco que sobra na poupança.

Ao longo dos estudos sobre finanças, descobrimos através de muita leitura que todos os grandes investidores possuem quatro habilidades básicas para fazer o dinheiro trabalhar para eles:

  1. Organização e Ordem
  2. Moderação
  3. Responsabilidade
  4. Conhecimento especializado

No artigo de hoje, gostaríamos de ver com você em detalhes cada uma dessas quatro habilidades e mostrar por que elas são tão essenciais para qualquer um que queira realmente levar a sério este desafio de conquistar independência financeira.

Vamos começar então pela habilidade que é a base de todas: organização e ordem.

Habilidade 1: Organização e Ordem

Na maioria das mensagens que recebemos dos membros do Mude.nu, um fenômeno muito comum costuma acontecer: as pessoas traçam planos grandiosos, mas acabam sem cumpri-los. E o principal motivo para isso é a falta de organização e ordem.

A ordem é fundamento da boa vida. Isso não significa que você tenha que se doutrinar para ser uma pessoa autodisciplinada, pois querer ter ordem através de uma técnica, método ou artifício é uma maneira pouco efetiva.

A verdade é que essa ordem externa é o reflexo da ordem interna, a ordem do ser, por isso sempre dizemos que um bom planejamento tem que abordar não apenas a técnica, mas sim os aspectos mais amplos e fundamentais.

Grande erro cometem aqueles que desejam transformar a própria existência através da pura técnica, método ou artifício.

Estes são apenas instrumentos, meios para obtenção de um fim, incapazes de realizar sozinhos uma tarefa assim: até para usá-los com competência precisamos de certa disposição do espírito.

Para que as técnicas funcionem, você precisa aliá-las a algo maior, ao seu próprio desenvolvimento pessoal.

E este é precisamente o ponto da Habilidade #1: não é possível transformar-se, reinventar-se e passar a viver bem sem que se aprenda a dispor adequadamente do próprio espírito e usar suas potências conveniente e inteligentemente. A mudança pela técnica, nas finanças ou em qualquer outra área, é sempre ineficaz.

Isso fica ainda mais evidente quando estamos falando de finanças. A verdade é que sem organização e ordem você nunca vai conseguir cumprir o seu plano financeiro, mês após mês, com todas as turbulências que encontrar.

Tirando toda a parte técnica, investir dinheiro é, no final das contas, adiar a gratificação. Você deixa de comprar uma roupa nova agora para colocar esse dinheiro em um investimento que te dará liberdade no futuro, daqui a 20 ou 30 anos.

Difícil encontrar exercício maior de ordem e organização do que esse…

Para desenvolver essa habilidade, você pode aliar o seu desenvolvimento pessoal a algumas técnicas específicas, tais quais:

  • Incluir no roteiro da sua checagem semanal uma ação relacionada a revisar suas contas, ver o quanto gastou na semana, se está anotando todos os gastos em um aplicativo ou planilha etc.
  • Incluir no roteiro da sua revisão mensal a consolidação do seu orçamento doméstico e o aporte mensal que fará nos seus investimentos.
  • Escrever de antemão no seu caderno de notas o que você vai fazer em situações de tentação. Aqui você precisa entender que você vai falhar algum dia, e por isso o ideal é pensar de antemão, com a cabeça fria, o que vai fazer quando essa falha acontecer.
  • Ter bem claro na sua mente qual é a motivação para você estar juntando esse dinheiro mês após mês. Pense na sua velhice, pense na liberdade que terá com uma renda passiva maior, pense no legado que poderá deixar para os seus filhos, pense em não ter que suportar chefes ou empresas inescrupulosas. Você precisa ter um motivo forte para trocar o prazer imediato da compra pela gratificação adiada da independência financeira.
  • Criar um ambiente propício para o investimento. Torne fácil a atividade de investir, simplificando e automatizando tudo o que puder.

A segunda habilidade que você precisa desenvolver está relacionada com a primeira. Estamos falando da moderação.

Habilidade 2: Moderação

Moderação - investidor

A moderação é uma habilidade essencial para que você persista disciplinadamente nas atividades relacionadas à conquista do desafio de ter independência financeira.

Moderação aqui significa que você tem que viver bem tanto agora quanto no futuro. É por conta da moderação que especialistas como o já citado T. Harv Eker sugerem orçamentos domésticos com divisões como esta:

divisao

Se você observar bem, exatamente o mesmo percentual que você deve destinar aos investimentos também deve ser destinado à diversão.

Isso permite um equilíbrio moderado entre aproveitar o presente e cuidar do futuro. Se você tem R$ 500 para investir todo mês, também terá R$ 500 para torrar com o que quiser: cinema, carro, bebida, comida, livros, esportes, música… seja lá qual for a sua paixão.

Um dos grandes desafios da vida é que não sabemos quando vamos morrer.

Então se só ficamos juntando todo o dinheiro que temos e amanhã morremos atropelados na rua, deixamos de aproveitar a vida por um futuro que nunca ocorreu.

Por outro lado, se você gasta tudo o que tem e não poupa nada, o que fará se viver até os 80, 90, 100 anos e não tiver dinheiro para cuidar da própria saúde?

A verdade é que não sabemos o que vai acontecer, então temos que agir com o que chmamos de mentalidade de Piloto e pensar nas duas possibilidades. Por isso a tática de dividir em percentuais iguais o valor de investimento e da diversão é ideal para encontrarmos esse equilíbrio.

No mínimo, quando morrermos, deixaremos uma boa herança para os nossos herdeiros. O que nos leva à terceira habilidade: a responsabilidade.

Está gostando deste texto?

Habilidade 3: Responsabilidade

Responsabilidade ao investir

No campo das finanças, uma pessoa que se faz de vítima (que costumamos chamar de identidade de Passageiro) vai dizer que não é rica porque não recebeu uma herança, porque o governo cobra muitos impostos, porque não teve oportunidades, e tantas outras desculpas furadas.

Desculpas que talvez você mesmo se dê.

Embora todas essas desculpas tenham alguma razão de ser, o fato é que você tem que assumir total responsabilidade pela sua situação financeira.

Se você acha que só consegue ser rico quem recebe uma herança, vai se surpreender com esse dado: nada menos do que 80% dos milionários dos Estados Unidos não receberam herança alguma.

O livro O Milionário Mora ao Lado mostra que 8 em cada 10 pesquisados construiu seu patrimônio milionário partindo do zero. São os chamados milionários de primeira geração.

Segundo a pesquisa que embasou o livro, esses milionários de primeira geração assumem a responsabilidade por construir o seu próprio patrimônio milionário a partir de sete pilares:

  1. Gastar menos do que ganha: os pesquisados sempre vivem abaixo de suas possibilidades.
  2. Selecionar o trabalho correto: eles escolhem o trabalho certo, no sentido de ser aquele que traz mais equilíbrio entre possibilidade de ganho e prazer pessoal.
  3. Ser eficiente: eficiência é atingir o resultado com um mínimo de perda de recursos, isto é, fazer o melhor uso possível do dinheiro, do tempo, materiais e pessoas, sempre com o foco em acumulação de patrimônio líquido.
  4. Aproveitar oportunidades: pessoas que constroem grandes riquezas estão sempre de olho no mercado para aproveitar oportunidades de investimento que surgem, seja para abrir uma empresa ou para comprar um ativo financeiro com boa possibilidade de retorno.
  5. Sair do zero: como dissemos, eles não receberam herança dos pais.
  6. Focar na independência financeira: os pesquisados encaram o dinheiro como um jogo. Ganha quem acumula um patrimônio líquido que gere uma renda passiva maior do que as despesas cotidianas. Em vez de comprar bens para ter prazer imediato e demonstrar status social, eles preferem acumular riqueza.
  7. Educar como legado: por fim, os pesquisados preferem deixar como legado para seus filhos e sucessores a educação, em detrimento de bens materiais.

Conquistar independência financeira é um trabalho de longo prazo, muitas vezes árduo, mas que tem a melhor recompensa que você pode receber na vida: liberdade.

Assuma essa responsabilidade para direcionar o avião da sua própria vida rumo ao melhor dos destinos, ou pereça reclamando de tudo e apontando o dedo para fora como um Passageiro qualquer.

As três primeiras habilidades, como você pode ver, estão mais ligadas ao espírito.

O espírito é um ato contínuo. Assim que ele relaxa e cede ao ócio, abre espaço para que se instalem nele as doenças da mente, da alma e do corpo.

No campo das finanças, essas doenças exteriorizam-se por meio de atitudes como gastar mais do que se ganha, delegar seus investimentos a um gerente de banco que está mais preocupado com os lucros do banco do que com seus rendimentos, deixar de seguir seu plano financeiro, etc.

A ação é o escudo do espírito contra essas doenças. Mas, para você agir de forma adequada, é preciso dominar a última habilidade: o conhecimento especializado.

Habilidade 4: Conhecimento especializado

Conhecimento especializado

Não tem para onde correr. Se você quer encarar a sério o desafio de conquistar independência financeira, terá que aprimorar continuamente os seus conhecimentos sobre finanças.

No orçamento proposto por T. Harv Eker, que mostramos mais acima, há a recomendação de dedicar 10% dos seus gastos exclusivamente para educação financeira.

Em outras palavras, exatamente o mesmo valor que você investe mensalmente em ativos financeiros deve ser também investido no maior de todos os ativos que você tem: seu próprio cérebro.

A história é repleta de exemplos de grandes homens de negócios que, devido a algum erro ou mesmo a uma crise externa, acabaram perdendo boa parte do patrimônio. Mesmo assim, em pouco tempo, esses mesmos homens haviam recuperado tudo e criado ainda mais riqueza.

Por que isso acontece?

Porque eles perderam tudo, menos o conhecimento especializado.

Essas pessoas têm tanto conhecimento sobre finanças que gerar riqueza é simplesmente um resultado natural da sua forma de pensar e agir.

Nós sugerimos que esses 10% do seu orçamento sejam dedicados à educação em geral, não necessariamente à educação financeira.

O ideal é que você se torne um grande estudante em diversas áreas. Desde o desenvolvimento pessoal mais prático até grandes pensamentos de filosofia e teologia.

Não foque exclusivamente em educação financeira, mas em tudo o que sirva para você amadurecer e assim conseguir também investir melhor.

Isso não quer dizer, no entanto, que você deve deixar a educação financeira de lado.

Primeiro porque educação em geral, em boa parte dos casos, também vai servir para você se tornar um profissional mais valioso no mercado. Segundo porque você deve continuar investindo em conhecimentos financeiros, mesmo que não possa dedicar todo esse valor para isso.

Sendo assim, leia livros sobre o assunto, faça cursos, ou até mesmo visite blogs especializados como Dinheirama ou Quero Ficar Rico.

Se você não tem ideia de por onde começar, indicamos de olhos fechados o melhor (e mais barato) livro sobre psicologia do dinheiro existente: Os Segredos da Mente Milionária.

Recapitulando: as quatro habilidades essenciais para você se tornar um investidor

Assumir o comando da sua vida financeira não é tarefa fácil nem simples. Requer tempo, prática e muita leitura de grandes autores.

O objetivo desse artigo é mostrar o “caminho das pedras” para você desenvolver as quatro habilidades necessárias para qualquer investidor.

Vamos relembrar todas as dicas desse artigo:

  1. Organização e Ordem: para montar um plano de independência financeira e segui-lo mês após mês.
  2. Moderação: para balancear a necessidade de aproveitar o momento presente ao mesmo tempo em que investe para o futuro.
  3. Responsabilidade: para entender que você e somente você é o “culpado” pela sua situação financeira, seja ela qual for.
  4. Conhecimento especializado: para saber como, na prática, investir o seu dinheiro e fazer ele trabalhar para você.

Lembre-se: você tem que dominar essas quatro habilidades antes mesmo de estudar a parte mais técnica de como aplicar o seu dinheiro em títulos públicos, imóveis e ações.

Comece do maior para o menor e, em pouco tempo, poderá finalmente assumir o controle das suas finanças como sempre quis.

Qualquer dúvida, estamos aqui para ajudar.

Receba as atualizações

2 Comentários

  1. Legal! então vamos focar nisso!

    Responder
  2. coragem e responsabilidade são dois pontos bastante importantes.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *