Você acha que está levando sua saúde a sério. Você está tentando entrar em forma há muito tempo, e fica sempre de olho na balança para saber se está emagrecendo.

Mas, na realidade, existe apenas um número que você deveria estar olhando: o seu percentual de gordura. Do contrário, você pode acabar como eu e chegar aos 30 anos sendo um péssimo exemplo de falsa magra.

Toda mulher que chegou a um corpo bonito, emagrecendo com saúde, sabe que entrar em forma não significa apenas baixar os números da balança. É preciso perder banha e ganhar massa muscular, é preciso mudar o seu percentual de gordura.

O que eu descobri foi que alterar esse percentual não é tão difícil quanto parece. Na verdade, você pode dobrar a velocidade com que está emagrecendo usando uma simples técnica que os melhores nutricionistas do mundo estão aplicando para quem quer perder peso com saúde.

O meu caso é um exemplo. E eu vou mostrar neste post como estou emagrecendo com saúde, deixando de ser uma falsa magra e atingindo meu percentual de gordura ideal depois de ter feito 30 anos.

Eu vou contar a história de como cheguei aos 14% de gordura corporal em seis meses, sem passar fome, sem tomar remédios e sem “morar na academia”. Se eu esquecer algum detalhe, deixe um comentário que esclareço.

Mas antes, deixa eu contar um pouco do meu histórico…

A história de uma falsa magra

Emagrecendo: falsa magra

Meu nome é Cecília, também conhecida como esposa de Walmar, o criador do Mude.nu.

Sempre fui uma falsa magra, não porque fazia por onde, mas por genética mesmo.

Nunca tive tendência a engordar e, por isso, comia tudo o que tinha vontade.

Por “tudo”, entenda-se:

  • leite condensado (tipo uma lata por semana)
  • pizza (minha comida preferida)
  • pão (de manhã, de tarde e de noite)
  • sorvete (sempre depois do almoço)

Em 2013, comecei a trabalhar como gerente em uma loja de um dos shoppings mais movimentados de Brasília.

Sem horário certo, sempre em pé e com mil responsabilidades, acabei emagrecendo rápido e muito por conta do estresse.

Perder peso daquela forma não era nada saudável, e eu acabei tomando a decisão de pedir demissão e encarar o desafio de estudar para concurso público.

Eu agora passava o dia sentada em casa, estudando, seguindo as famosas dicas de estudo para concurso do Mude.nu.

Quando me dei conta, eu havia engordado oito quilos em menos de um ano! Em termos relativos, meu peso aumentou 15% em dez meses.

Recuperei o que havia perdido e ainda ganhei uns quilinhos de brinde.

E o pior? tudo de gordura, nada de massa muscular. Afinal, eu passava o dia sentada estudando e comendo brigadeiro de colher.

Fiquei assustada! Não cheguei a ser uma mulher gorda: estava com 1,69m e pesava, aproximadamente, 60 quilos. Pensei: “Sou magra, mas nada saudável”.

Pelo menos passei no concurso. Só que eu sabia que, para a minha própria saúde, não poderia continuar comendo tanta besteira e sem fazer exercício.

Tudo o que eu não queria era me tornar uma magra com barriga. Mas a coisa ainda ia piorar…

O fundo do poço

Emagrecendo rápido

Foi então que eu cheguei ao MEU fundo do poço…

Um belo dia, quando ia para o trabalho, entrei no carro e ouvi aquele barulho fatídico: riiiip.

Minhas calças rasgaram!

Mas rasgaram mesmo…

Tive que subir correndo, escondendo os fundos, para trocar de roupa e não chegar ao trabalho atrasada.

Pense em uma vergonha!

Dizem que o fundo do poço é o melhor lugar para pegar impulso. Eu finalmente tive o estalo de que eu realmente precisava mudar, e precisava mudar urgentemente.

Está gostando deste texto?

No prédio em que moramos, há uma pequena sala de ginástica. Até um professor fica lá algumas horas ao dia, para atender os moradores.

Eu nunca tinha sequer olhado para ela direito. Até o dia em que minhas calças rasgaram…

Cheguei do trabalho naquela noite e fui direto para a academia do prédio.

Nossa, como sofri no dia. E, pior, como tudo doía no dia seguinte… eu mal podia andar, mas sabia que tinha que continuar fazendo exercícios.

Preciso confessar que sou bem ansiosa. Com uma semana de academia, já me olhava no espelho e reclamava com Walmar, dizendo que não estava adiantando nada fazer exercício, e ele sempre falava que eu tinha que ter calma…

Ele me dizia que eu construí aquele corpo ao longo dos meus vinte e muitos anos. Não seria em uma semana que eu ia desconstruir tudo.

Fiquei nessa neura de querer resultado imediato por um tempo até que mudei de foco. Não estava mais fazendo exercícios só para continuar emagrecendo e ter um corpo legal, já estava curtindo essa vida de me exercitar com regularidade.

Emagrecendo com a corrida de rua

Emagrecendo: corrida de rua

Coincidentemente, depois de passar no concurso, comecei a trabalhar em um lugar onde havia uma pessoa que adorava correr (Cleuby, essa é para você!)

Ela começou a me incentivar a participar de provas de corrida de rua.

Fiz a inscrição para minha primeira corrida, chamada Mulheres em Movimento, que percorreria cinco quilômetros no Eixo Monumental de Brasília.

Antes e durante a corrida, eu estava com muito medo. Brasília estava quente e muito seca e eu tive medo de passar mal e desmaiar durante o percurso.

Fiz Walmar correr ao meu lado durante os cinco quilômetros e…

Que alegria chegar à linha de chegada! Eu me senti a pessoa mais forte do mundo, a mais resistente, praticamente uma queniana!

Depois desta corrida veio outra, e mais outra, e mais outra…pronto, já tinha pego gosto pelo exercício e estava emagrecendo aos poucos.

Dieta para Emagrecer: a parte mais importante (e a mais difícil?)

Dieta para estar emagrecendo

A parte de exercícios estava resolvida.

Faltava agora a parte mais difícil para entrar em definitivo no clube das mulheres magras: a alimentação.

Tenho muitas restrições em relação à comida. Para começo de conversa, detesto frutas e verduras. Nunca como.

Acho até que tenho alguma espécie de trauma de infância com isso, pois não gosto nem de tocar em frutas e hortaliças. Só o cheiro já me dá enjoo.

(Estou até em uma psicóloga por conta disso, mas isso é assunto para outro post…)

Antes de começar essa saga toda, eu já tinha ido a nutricionistas algumas vezes, mas eles sempre pareciam ignorar o que eu falava: eu não como fruta nem verdura.

Não adianta um nutricionista colocar no meu cardápio que eu tenho que comer uma maçã por dia porque eu não vou comer.

Tentei primeiro ir a uma nutricionista comum, do plano de saúde, mas ela parece que nem ouviu o que eu falei. Mandou um cardápio básico, dizendo para eu comer um prato colorido, repleto de hortaliças e cereais.

Decidi finalmente ouvir o que o meu marido dizia e escrevia aqui no Mude.nu: o segredo é simplesmente comer comida de verdade.

Se alguém procura a saúde, pergunta-lhe primeiro se está disposto a evitar no futuro as causas da doença; em caso contrário, abstém-te de o ajudar. ~ Sócrates

Marquei uma consulta com o mesmo nutricionista de Walmar, na clínica GENES Nutrição, de Brasília, que é adepta da chamada Dieta Paleo. Se você não sabe o que é isso, deixe um comentário que explico melhor.

Finalmente, finalmente!, um nutricionista levou em conta as minhas limitações alimentares.

Como emagreci depois de consultar um nutricionista Paleo

Emagrecendo: Dieta Paleo

A primeira consulta lá na GENES foi bem longa.

O nutricionista João Gabriel Marques perguntou todo o meu passado, da minha família, o que eu gostava de comer, o que ele não podia tirar da minha alimentação e o que não podia adicionar ao meu cardápio.

Depois, ele me deu uma aulinha sobre dieta, com orientações nutricionais e montou meu plano alimentar JUNTO comigo.

Isso fez toda a diferença.

Sinceramente, nunca achei que fosse ser tão fácil seguir um plano alimentar. Não tinha nada que eu não gostasse de comer!

Walmar encontrou essa clínica de nutrição na lista do Dr. José Carlos Souto. Se você não mora em Brasília, pode encontrar lá profissionais de saúde de outros estados.

Se não houver nenhum na sua cidade, você pode fazer programas on-line que seguem essa linha de alimentação, como o Código Emagrecer de Vez.

Eis um exemplo de um dos dias que havia no meu primeiro plano alimentar:

Café da Manhã

  • Omelete (dois ovos ou mais) com queijo (1 fatia)
  • Leite em pó (duas colheres de sopa) com cacau à vontade e meia colher de mel ou melado de cana

Almoço

  • Arroz integral
  • Raiz ou tubérculo
  • Feijão
  • Carne à vontade
  • Oleaginosas

Lanche

  • Ovo cozido (até dois) ou iogurte natural integral
  • Oleaginosas ou chia ou linhaça

Jantar

  • Carne ou ovos (até dois)
  • Raiz ou tubérculo

Como dá para notar, o cardápio é de uma simplicidade só.

Como sou pernambucana, sempre como macaxeira (também chamada mandioca ou aipim) quando aparece raiz ou tubérculo no cardápio.

A Dieta não é 100% Paleo, afinal eu não como hortaliças (ainda) e ele teve que apelar para arroz e feijão para eu ter uma quantidade aceitável de micronutrientes e fibras.

Além disso, eu não preciso seguir todo dia a mesma comida, pois ele me passou uma lista de substitutos dentro dos alimentos permitidos (carnes, ovos, raízes, tubérculos, sementes, hortaliças, frutas, oleaginosas, gorduras e óleos).

O que realmente foi eliminado: açúcar (eu comia todo dia pelo menos duas colheres de sopa), trigo (eu comia pão e macarrão todo dia), outros cereais que não arroz, soja, margarina e principalmente os produtos industrializados.

Seis meses depois, voltei à GENES e o nutricionista Luciano Trindade me reavaliou e elaborou um novo plano alimentar, seguindo os mesmos princípios.

Emagrecendo com saúde: o resultado

Emagrecendo com saúde: Infográfico

Clique para ampliar

Comecei a seguir a Dieta Paleo prescrita pelo nutricionista em outubro de 2015. Na época, estava com 21% de gordura, acima da média para minha faixa etária, mas já bem melhor do que quando minhas calças rasgaram.

Minha meta era chegar ao percentual de gordura ideal para a minha idade: 14% a 16%.

Para você ter uma ideia do seu percentual de gordura ideal de pessoas magras, basta consultar essa tabelinha como referência:

Percentual de gordura ideal para mulheres:

Nível/Idade18 a 2526 a 3536 a 4546 a 5556 a 65
Excelente13 a 16%14 a 16%16 a 19%17 a 21%18 a 22%
Bom17 a 19%18 a 20%20 a 23%23 a 25%24 a 26%
Acima da média20 a 22%21 a 23%24 a 26%26 a 28%27 a 29%
Média23 a 25%24 a 25%27 a 29%29 a 31%30 a 32%
Abaixo da média26 a 28%27 a 29%30 a 32%32 a 34%33 a 35%
Ruim29 a 31%31 a 33%33 a 36%35 a 38%36 a 38%
Muito ruim33 a 43%36 a 49%38 a 48%39 a 50%39 a 49%

Com exceção do final de ano, quando passei cerca de 20 dias de férias no Recife, consegui cumprir meu plano alimentar 90% do tempo.

E essa foi outra lição que aprendi: você não precisa ser perfeita todo o tempo para ver os resultados aparecerem e continuar emagrecendo.

Se você se mantiver dentro da dieta pelo menos 80% do dia, ou da semana, os resultados aparecerão. O segredo é saber usar as exceções com inteligência.

Com o tempo, a gente realmente muda o paladar e, antes de comer um pedaço de pizza ou doce, avalia se aquilo realmente vale a saída da dieta.

Não tenho dia do lixo, mas se estou com uma TPM absurda e vejo um brigadeiro com cara boa, vou comer, porque acredito que não dá para ser radical o tempo todo.

Mas vou comer um, talvez dois, e não me empanturrar para depois ficar passando mal. Aprendi que o importante é ter equilíbrio.

Continuei fazendo exercícios regularmente, duas vezes por semana na sala de ginástica e outras duas vezes exercícios funcionais ao ar livre (tipo calistenia).

Sigo sem comer frutas e hortaliças, mas todo o restante da minha alimentação regular é composta por comida de verdade.

Sem açúcar, sem glúten, praticamente sem grãos, sem industrializados.

E, seis meses depois do começo da Dieta Paleo, cheguei, com muito orgulho, aos meus 14% de gordura corporal.

Uma redução de 7% em apenas 6 meses :)

Lembrando que, como meu percentual não era alto para a minha idade, perder essa quantidade de gordura é ainda mais difícil.

Além disso, fiz exames de sangue e os resultados mostraram diminuição nos triglicerídeos, no colesterol ruim, na glicose e em praticamente todas as taxas!

O resultado é que estou mais saudável, mais disposta, mais magra e finalmente adotando o estilo de vida que sempre quis ter e sempre achei que seria impossível.

Espero que este relato te ajude de alguma forma a mudar também. Qualquer dúvida, basta escrever nos comentários que eu respondo se puder ajudar!

Receba as atualizações

Publicado por Cecília Tapety

Cecília é pernambucana, engenheira, apaixonada por moda e corredora de rua iniciante.

12 Comentários

  1. Q legal! Parabéns Cecilia

    Responder
  2. Muito bom o seu relato! Fiquei de cara como vc fez parecer td tão simples :)

    Responder
  3. Quase desistindo de entrar em forma, leio seu post e renovo minhas esperanças. Obrigada!

    Responder
  4. Me explique depois o que e a dieta paleo??
    E como consigo no Rio de Janeiro algum profissional que faça esse atendimento.
    Li seu post e fiquei animada, tenho problemas como hipotiroidismo e uma doença autoimune tiróide de rachimoto. Tenho intolerância a glúten e lactose evtenho dificuldades para emagrecer.
    Estou com 74 quilos e 1,65.
    Você me transmitiu uma grande esperança. Obrigada!

    Responder
    • Oi Marcia, tudo bem?

      Sei que você perguntou à Cecília, mas não resisti em responder. =)

      A dieta Paleo se baseia em comer o mais limpo possível e da forma que supomos que os homens primitivos comiam, ou ao menos parecido, tirando do cardápio principalmente açúcar, trigo e industrializados.

      Visitei um blog esses dias onde uma moça relatava ter esse mesmo problema que você (tireóide de Hachimoto) e disse que percebeu bastante melhora depois que adotou a dieta Paleo/LCHF. O blog é o Café com Manteiga, recomendo a leitura dele pra você entender melhor como funciona a dieta, e lá tem muitas receitas também. Outro blog super recomendado, possivelmente o melhor sobre a dieta, é o do Dr. Souto, que a Cecília cita no relato dela, inclusive ela colocou o link pra o blog dele onde tem uma lista de profissionais de várias regiões do país que seguem a linha Paleo/LCHF, certamente há algum no Rio que possa te orientar melhor. Em todo caso a leitura dos dois blogs é válida, tem um material riquíssimo e muita informação de qualidade.

      Espero ter ajudado de alguma forma, beijos.

      Responder
  5. Oi Cecília, adorei conhecer melhor sua história, realmente você faz parecer tudo muito simples, como a Ana Paula falou.

    Eu vivo lendo sobre Paleo e Low Carb, mas confesso que ainda não tive força de vontade suficiente pra colocar em prática. Sou pernambucana também e minha alimentação se baseia em cuscuz, inhame, macaxeira, feijão com arroz (macarrão e/ou farinha só esporadicamente), carne/ovos/peixe, frutas e verduras, mas também gosto de uma besteira de vez em quando. Que caminho seguir, então? Fico pensando como colocar a low carb em prática, o que cortar?

    Responder
  6. Nossa, muito legal esse relato. Tenho mais de 30, estou com sobrepeso, especialmente depois que tive filho (17 meses). Descobri a dieta paleo a 2 meses e estou tentando seguir. Meu marido, que é magro, está seguindo também, por questões de saúde e já emagreceu. Estou desanimada, porque não estou emagrecendo, mesmo fazendo a dieta, musculação e natação. Não tenho nenhum problema metabólico. Mas to sempre furando a dieta com bebidas, não consigo ficar sem beber leite e sucos, mesmo com adoçante acho que isso pode estar me impedindo de entrar em cetose.
    Seu exemplo me inspirou, pois todo mundo que eu conheço que emagreceu com a dieta paleo é homem, aí claro que é mais fácil. Rumo aos 14%!

    Responder
  7. Eu gostei eu estava engordando muito em menos de um mes ,estava pesado 52 quilos, agora estou pesado 49 ,estou fazendo exercicios pulando corda rsrs

    Responder
  8. Oi Cecília, que legal seu texto! Então, será que pode tirar umas dúvidas? Estou iniciando a alguns dias na dieta paleo (meu marido já faz) e meu biotipo também é o falso magro (mas bemmm falso mesmo, aquele bem migué) quem me olha de roupa me acha super magra (não to tipo gostosa, do tipo seca mesmo) mas se vc me ver de biquini (que nunca uso) vai ver a bela pochete que tenho, dois pares de pneus step e uma bela massa de pão na barriga…

    Queria saber se seu corpo era assim tbm, pq se for fico mais entusiasmada para seguir a dieta… é difícil perder essa gordura localizada, pois sonho com um corpo com mais massa (bumbum e coxas maiores e durinhos) e ao mesmo tempo uma barriga chapada, é um dilema… Voltei a malhar (na academia do predio) fazendo um treino voltado a hipertrofia.

    Aguardo seu retorno, obrigada flor!

    Responder
  9. Olá, Cecília, muito bom o post. Parabéns! Quero ir por esse mesmo caminho.

    Mas, gostaria de saber também sobre sua preparação para os concursos. Como você fez para lidar com a rotina tediosa de sentar e estudar com pouca ou sem vida social, numa vibe mais isolada. Você poderia escrever um post sobre:)

    Obrigada, você e o Walmar são realmente inspiradores!

    Responder
  10. Meu Deus Cecília, parece que você me descreveu, simplesmente… Mesma coisa: falsa magra, estudando para concurso, engordei 6kl em 5 meses, pensando em começar correr e fazer dieta. Não como verduras, hortaliças, nem frutas! Fiquei, sinceramente, louca com esse post! Muito obrigada.. Vou procurar aprofundar sobre a dieta! :)

    Responder
  11. Muito interessante sua história. Engordei 15kg em seis meses, estaca “pregada” nos estudos. Agora não me reconheço no espelho e não consigo emagrecer.
    Ouvi falar várias vezes sobre a dieta que você segue, mas não como carnes, o que faço??

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *