Você sabe o que é crudivorismo?

Pense por um momento na qualidade do que você anda mandando para dentro do seu corpo através da dieta moderna.

Se você é como a maioria das pessoas, deve estar ingerindo animais mortos, doses grandes de açúcar e farinha de trigo refinada, grãos que não conseguiria comer sem cozinhar, ingredientes sintéticos, componentes químicos, colorantes artificiais e muitas outras coisas do tipo.

Não é de se estranhar que estejamos diante da maior epidemia de obesidade da história da humanidade. Não é de se estranhar também que doenças do coração sejam a maior causa de morte do mundo.

Um grupo de pessoas decidiu que essa insanidade deveria acabar e começou a buscar uma alternativa voltando-se para a alimentação na sua forma mais natural possível.

Essas pessoas optaram por comer somente alimentos vivos, ou seja, vegetais crus. A dieta é composta sobretudo por frutas frescas, verduras, legumes, brotos, nozes e castanhas.

A dieta do crudivorismo

Crudivorismo

Segundo os adeptos do crudivorismo, essa dieta enche o corpo de energia vital em níveis nunca sonhados por quem até hoje só se alimentou da maneira dita tradicional.

Por serem alimentos de baixa caloria, em regra, eles precisam ser consumidos em doses maiores do que comemos normalmente.

Um café-da-manhã, por exemplo, pode ter dez bananas. Ou um melão inteiro. Um almoço deve ter um prato grande de salada.

Os entusiastas do crudivorismo garantem que dá para fazer receitas criativas e saborosas sem cozinhar nada e sem usar nada derivado de animais.

Sucos verdes, pizzas, mousses, sopas, tudo está na pauta do crudivorismo Em São Paulo e no Rio de Janeiro, já existem restaurantes dedicados a esse público. O maior número de adeptos no mundo, entretanto, está nos Estados Unidos, onde a chamada “raw food”, ou comida crua, vem ganhando cada vez mais espaço.

Os nutricionistas tradicionais veem com ressalvas a adoção completa dessa dieta. Embora todos concordem que os alimentos naturais são infinitamente melhores do que os industrializados, as pesquisas apontam que pode haver falta de proteínas e gorduras se a pessoa não souber exatamente o que está fazendo.

O ideal, segundo eles, seria buscar a alimentação mais natural possível, porém com uma variedade maior de opções e sem abolir o cozimento dos alimentos.

Os especialistas em crudivorismo

No Brasil, o nome mais famoso do crudivorismo parece ser o Dr. Alberto Peribanez Gonzalez, autor do livro Lugar de Médico é na Cozinha. O livro explica toda a filosofia do crudivorismo e, ao final, traz algumas receitas para quem quiser se aventurar na dieta.

Internacionalmente, um nome que se destaca é o do Dr. Douglas Graham, americano que vive na Costa Rica e prega que a dieta – além de crua e vegetariana – deve ser composta 80% de carboidratos no mínimo, com 10% no máximo de gordura e 10% no máximo de proteínas.

Em seu livro 80/10/10, Graham argumenta que os seres humanos naturalmente são vegetarianos com predisposição apenas a comer frutas e algumas folhas e legumes.

Se fôssemos realmente carnívoros – argumenta ele – salivaríamos ao pensar em matar um boi e comê-lo ali mesmo, logo depois de morto, cru e sujo de sangue, separando a carne das vísceras. Pois é assim que um animal realmente carnívoro faz.

As pesquisas mais recentes não corroboram essa argumentação. Toda a ciência dos últimos anos aponta que a alimentação ideal para o ser humano é a chamada Dieta Paleo, que possui em comum com o crudivorismo a busca por uma alimentação mais natural.

Como pontos em comum, as duas pregam um maior consumo de vegetais, na forma mais natural possível, e o banimento dos grãos (cereais e leguminosas) do cardápio.

A grande diferença é que, no crudivorismo, não se comem alimentos de origem animal e nem se cozinham os alimentos.

O que comer no crudivorismo

Abaixo seguem listas do que você pode comer no crudivorismo, lembrando que os alimentos não podem ser cozinhados.

Hortaliças

  • Abobrinha
  • Abóbora
  • Acelga
  • Agrião
  • Aipo
  • Alface americana
  • Alface crespa
  • Alface lisa
  • Alface romana
  • Alho
  • Alho-poró
  • Almeirão
  • Aspargo
  • Berinjela
  • Beterraba
  • Broto de alfafa
  • Broto de bambu
  • Broto de feijão
  • Brócolis
  • Cebola
  • Cebola roxa
  • Cenoura
  • Cenoura Baby
  • Champignon
  • Chicória
  • Chuchu
  • Cogumelo shiitake
  • Cogumelo shimeji
  • Couve de Bruxelas
  • Couve-flor
  • Couve-manteiga
  • Endívia
  • Ervilha torta
  • Escarola
  • Espinafre
  • Folha de beterraba
  • Folha de mostarda
  • Jiló
  • Maxixe
  • Mostarda
  • Nabo
  • Palmito
  • Pepino
  • Pimentão
  • Quiabo
  • Rabanete
  • Repolho roxo
  • Repolho verde
  • Rúcula
  • Taioba
  • Tomate
  • Tomate cereja
  • Vagem

Frutas

  • Abacaxi
  • Acerola
  • Ameixa
  • Açaí
  • Banana
  • Café
  • Caju
  • Cajá
  • Caqui
  • Carambola
  • Cereja
  • Damasco
  • Figo
  • Framboesa
  • Goiaba
  • Grapefruit
  • Graviola
  • Jabuticaba
  • Jaca
  • Kiwi
  • Laranja
  • Lichia
  • Limão
  • Mamão
  • Manga
  • Maracujá
  • Maçã
  • Melancia
  • Melão
  • Mexerica
  • Mirtilo
  • Morango
  • Nectarina
  • Nêspera
  • Pinha
  • Pitomba
  • Pêra
  • Pêssego
  • Romã
  • Uva
  • Tâmara

Temperos e Condimentos

  • Alcaparra
  • Alecrim
  • Alho
  • Alho-poró
  • Anis estrelado
  • Açafrão
  • Canela
  • Cebola
  • Cebola roxa
  • Cebolinha
  • Coentro
  • Cravo da Índia
  • Curry
  • Endro
  • Erva-doce
  • Gengibre
  • Hortelã
  • Louro
  • Manjericão
  • Noz moscada
  • Orégano
  • Pimenta branca
  • Pimenta cambuci
  • Pimenta da Jamaica
  • Pimenta de cheiro
  • Pimenta dedo-de-moça
  • Pimenta do reino
  • Pimenta malagueta
  • Pimenta rosa
  • Pimenta rosa
  • Páprica doce
  • Páprica picante
  • Raiz forte
  • Sal marinho
  • Salsa
  • Sálvia
  • Tomilho
  • Urucum

Oleaginosas e Sementes

  • Abacate *
  • Amêndoa
  • Avelã
  • Azeitona
  • Cacau em pó
  • Castanha de caju
  • Castanha do Pará
  • Coco *
  • Coco ralado *
  • Gergelim
  • Macadâmia
  • Noz
  • Pistache
  • Semente de abóbora
  • Semente de chia
  • Semente de girassol
  • Semente de linhaça

* Frutas classificadas nutricionalmente como oleaginosas por sua composição

Gorduras e Óleos

  • Azeite de oliva extravirgem
  • Óleo de macadâmia
  • Leite de coco
  • Óleo de coco

Receita do suco verde

Ingredientes:

  • Horti: 1 pepino e/ou 1 abobrinha e/ou 1 chuchu, 1 beterraba pequena e/ou 1 inhame e/ou 1 pedaço de abóbora, 1 cenoura
  • Fruti: 1 maçã tipo Fuji
  • Folhas: Três tipos ou mais de: couve, chicória, agrião, alface, repolho, acelga, grama do trigo, etc.
  • Sementes germinadas e castanhas hidratadas: Um ou mais tipos de trigo, girassol, aveia, gergelim, linhaça; e nozes, amêndoas, castanhas-do-pará
  • Temperos: hortelã, gengibre, manjericão

Preparo:

Germinação de sementes: Deixar as sementes de molho na água, durante à noite. No dia seguinte, escorra a água e deixe as sementes em uma peneira ou escorredor e regue de 6 em 6 horas. No outro dia, as sementes estão apontando um “narizinho”, indicando a germinação.

Hidratação das castanhas e da linhaça: Deixar as castanhas e as sementes de linhaça de molho, durante à noite, em água. No dia seguinte utilizar no suco.

Coar: Será necessário um coador de voal. O voal é encontrado em qualquer casa de tecidos. Corte o tecido deixando um círculo, queime as bordas com uma vela. Fure as bordas com um incenso (deixando buracos para passar o elástico). Passe o elástico e de um nó.

No copo do liquidificador, colocar o pepino picado (e/ou abobrinha, e/ou chuchu) junto à hélice do aparelho. Em seguida colocar a maçã, o inhame picado (e/ou beterraba, e/ou abóbora). Ligar o liquidificador na primeira velocidade e socar com o auxílio da cenoura (biossocador). O giro da hélice e a socagem formarão uma papa, que gira no sentido da hélice do liquidificador. A seguir, acrescentar as folhas, os temperos, e as sementes e/ou castanhas, batendo em velocidades maiores. Coar em coador de pano, preferencialmente de voal. Depois de coar, acrescente um fio de qualquer azeite extra virgem (linhaça, gergelim, castanha-do-pará) ao suco, para absorção de vitaminas lipossolúveis. Beber em seguida, de preferência pela manhã em jejum.

Receba as atualizações

7 Comentários

  1. Na verdade já sou vegetariana estrita, mas quero migrar pro cruvidorismo e banir produtos industrializados =D também quero virar vegana, mas por enquanto não vai dar porque moro e sou sustentada pela minha mãe. Pra isso, terei que arranjar uma renda própria e estou estudando pra concurso pra isso ^.~

    Responder
  2. É muita babaquice envolvida nisso “fure com incenso”. Francamente se retirassem toda essa bobagem esotérica as pessoas aceitariam melhor essas dietas, mas insistem em misturar essas práticas alimentícias com práticas ” espirituais” orientais, afastando uma grande parte o público.

    Responder
    • Não tem nada a ver com coisa espiritual, é o modo de fazer o coador de voal

      Responder
    • Muitas práticas espirituais tem o crudivorismo envolvido mesmo, como a meditação e o Yoga e muitas outras crenças orientais. Mas não é requisito obrigatório. Você pode ter qualquer posicionamento religioso e ser crudivorista.

      Responder
    • Quando se queima com o incenso ou algo quente , uma ponta de garfo talvez(a principio pensei numa ponta de cigarro, kkk, aí não da mesmo) o tecido acaba sendo derretido e não desfia, se vc fizer um cortezinho no tecido ele vai desfiando. Eu não sou praticante de nenhum método esotérico, mas quando vejo algo assim relevo, pois como diz o ditado reter o que é bom…

      Responder
  3. Vegano 100%, crudívoro em breve 100%…comecei com o de Lair ribeiro a conhecer alimentação saudável, depois outros como dr kater, silmar Cristo, the alkaline man…mas o crudivorismo foi com dr Alberto Gonzalez…

    Responder
  4. Tudo sobre Regime alimentar aprendi com a escritora Ellen G. White (1827-1915).

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *