Pelos meus posts anteriores, já deve ter dado para perceber que sou um grande fã do método de produtividade pessoal GTD (Getting Things Done), de David Allen.

Desde que li o primeiro livro do GTD, em 2006, o sistema já me ajudou a cumprir metas de vários tipos. De abrir uma empresa a passar em um concurso público, de morar fora do Brasil a morar sozinho, de criar este site a concluir uma pós-graduação. Se algum dia encontrar o David Allen andando pelas ruas de Casa Amarela, pago um caldo de cana para ele no mercado.

O curioso é que o GTD não é exatamante focado no cumprimento de metas. Estas são citadas no livro original, mas no eixo vertical do método, que só recebe mais atenção no segundo livro.

De qualquer forma, eis quatro razões pelas quais o GTD é um excelente sistema para quem quer cumprir metas:

  1. O conceito de projetos: em vez de metas, que tendem a ser traçadas de uma maneira muito generalista, o conceito de projetos, foco do GTD, força as pessoas a serem mais específicas. Um abstrato “quero morar fora do Brasil” acaba virando um projeto do tipo “morar em Barcelona entre 2009 e 2010 com visto de estudante para uma pós-graduação na área de comunicação interativa com despesas bancadas por trabalho à distância para o Brasil”.
  2. A ideia das próximas ações: a chave para o GTD fazer seus projetos andarem é quebrar esses “monstros” em pequenas ações e perguntar-se, sempre, várias vezes ao dia, “qual é a próxima ação?”. Quebrar os projetos em pequenos passos, sempre passíveis de ação, é essencial para transformar metas em realidade.
  3. As ações riscadas: mesmo que não foque nisso, o GTD permite que você acompanhe seu progresso em determinadas metas ao observar a lista de ações já “riscadas”. Ver os passos que você já deu, as ações que já completou, é um incentivo para acompanhar o próprio progresso e, assim, manter-se na linha.
  4. A diferença entre projetos ativos e algum dia/talvez: geralmente nós queremos fazer muitas coisas, mas sendo realistas vemos que não dá para fazer tudo. O GTD tem uma lista chamada “Algum dia/Talvez” justamente para colocarmos aquelas metas que até pretendemos fazer, mas não agora, ou que talvez façamos, mas ainda não estamos seguros. Essa lista permite que você deixa a lista essencial – a de Projetos – somente com metas realmente ativas, aquelas pelas quais você trabalhando neste momento.

É… talvez eu deva pagar também um pastel para o David Allen.

Receba as atualizações

Publicado por Walmar Andrade

Criador do Mude.nu, Walmar Andrade é bacharel em Comunicação Social, com extensão em jornalismo on-line (UFPE), MBA em Planejamento, Gestão e Marketing Digital (FECAP-SP) e Master en Comunicación Empresarial (INSA-Barcelona). Escreve sobre comunicação e marketing digital no blog Fator W.

3 Comentários

  1. Walmar
    Voce escreveu varios posts sobre GTD no mude.nu, poderia enviar um roteiro deles? qual ler primeiro? por onde começar? valeu, parabéns tambem sou fã do David Allen.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *