Timothy Ferriss, no polêmico livro Trabalhe 4 Horas por Semana, defende ferozmente que paremos de perder tempo com notícias irrelevantes e entremos em uma dieta de informação. Com esse simples passo, teremos tempo livre para realizar todas nossas metas e ainda curtir a vida de verdade.

Pare para pensar. Quanto tempo você perde, por dia, fazendo algumas dessas atividades: navegando a esmo na internet, vendo twittadas irrelevantes, lendo jornais e revistas ou assistindo à televisão? Se você colocar na ponta do lápis, vai ver a quantidade de horas jogadas fora. O Brasil é um dos líderes mundiais tanto em tempo de navegação na internet quanto em horas de televisão ligada.

Consumir toda essa quantidade de informação ajuda você a realizar seus sonhos ou apenas faz você vegetar na frente de uma tela? Quanto da informação que você consome é realmente importante e quanto é perda de tempo? Quando você estiver no leito da morte, vai olhar para trás e pensar “poxa, eu deveria ter assistido mais televisão”, “poxa, eu devia ter lido mais no EGO que Britney Spears foi fotografada sem calcinha” ou vai se reprimir por não ter tido experiências mais interessantes?

No livro, Tim Ferriss é radical. Diz ele que cortou todas as assinaturas de jornais e revistas que tinha, desligou a televisão e passou a se policiar quanto aos sites em que navega.

Nosso tempo é limitado. Vemos cada vez mais pessoas reclamando que, “no mundo atual”, ninguém tem tempo para mais nada. Essas mesmas pessoas, no entanto, sabem o que está acontecendo na novela e conseguem acompanhar o Big Brother Brasil 11. Será que não há algo errado aí? Pode apostar.

A overdose de informação a que somos submetidos diariamente não afeta apenas nossa atenção. Ela empobrece enormemente a nossa qualidade de vida. Boa parte do que nos é transmitido pelo mainstream tem como objetivo alavancar audiência para exibir mais publicidade.

Isso traz dois pontos terríveis. O primeiro é que o conteúdo passa a ser cada vez mais sensacionalista, mais raso, para atrair grandes quantidades de leitores. O segundo é que boa parte da publicidade nos passa a mensagem de “sua vida é uma droga sem esse produto. Compre-o e tudo se resolverá”, o que aumenta nosso problema com a natureza insatisfatória da vida.

A Dieta de Informação em 3 passos

Qual a saída? Entrar na Dieta de Informação sugerida por Timothy Ferriss. Não precisa ser radical como ele: basta você se perguntar se o canal que você pretende deixar de consumir tem lhe trazido algo de útil na sua vida. Para essa dieta ser efetiva, você precisa dar três importantes passos:

  1. Tenha um objetivo principal definido: saiba o que quer da vida. Trace suas metas, descubra seus valores, liste seus sonhos. Com base neles, pergunte se o que você vai deixar de ter acesso atrapalha de alguma forma sua busca por tais metas.
  2. Livre-se dos sugadores de tempo: pare de pagar a TV a cabo (a televisão aberta é tão ruim que vai facilitar você largá-la), tire a antena da televisão (assim você assiste apenas a filmes no DVD), dê unfollow nas pessoas que não são relevantes para você no Twitter (ou saia do Twitter, se for o caso), bloqueie os sites em que você está viciado e que só tomam seu tempo (EGO? Globo Esporte? Kibe Loco? mude.nu?), cancele as assinaturas de jornais e revistas.
  3. Encontre substitutos: esse passo é importantíssimo. Se você de repente se vê com um monte de tempo livre e nada para fazer, o resultado é tédio. E aí seu cérebro vai associar sugadores de tempo a prazer. E falta de sugadores de tempo a dor. Adivinha para onde você vai voltar nessa situação? Por isso é essencial que você defina o que vai fazer com esse tempo livre. Vai entrar em um curso de idiomas? Vai abrir uma empresa em tempo parcial? Vai estudar sobre investimentos? Isso está diretamente ligado ao passo 1.

Vou me tornar um alienado?

A maior crítica à ideia da Dieta de Informação é a de que aqueles que a seguem tornam-se alienados, não sabem o que está acontecendo no mundo.

Em primeiro lugar, não se engane, as informações realmente importantes vão chegar até você. Imagine que você estivesse nessa dieta no dia 11 de setembro de 2001. Haveria alguma chance de não tomar conhecimento dos ataques ao World Trade Center? De maneira nenhuma! Seus amigos iam comentar, o taxista ia avisar, você notaria.

Você certamente ficará alienado de muita coisa. Não saberá, por exemplo, quem ganhou o Big Brother. Mas em que isso interfere na sua busca por uma vida melhor mesmo?

As grandes notícias, as que têm maior importância, vão acabar chegando ao seu ouvido. As demais são completamente descartáveis.

A segunda maior crítica é dos que defendem que “assistir a uma novelinha” ou “dar uma navegadinha naquele site de LOL Cats” é uma diversão, um passatempo. É justo que seja. Porém, como você quer gastar seu tempo aqui na Terra? Por que não ter passatempos mais legais, como saltar de pára-quedas, aprender sexo tântrico ou dirigir um carro de corrida?

Se ainda não está convencido, lembre-se de que nada é irreversível. Propomos que experimente a Dieta de Informação por 21 dias e veja em que sua qualidade de vida melhorou ou piorou. Se acha que não é para você, volte ao antigo hábito. Mas não deixe de experimentar (e contar os resultados aqui nos comentários, se assim desejar).

Receba as atualizações

9 Comentários

  1. A um tempo eu ouvi falar sobre essa dieta de informação e sabe como Einsten, isaac Newton, Galileu conseguiam viver na época deles sem TV, sem coisas futis. Claro eles deviam ter sua dose de coisas desnecessárias, mas acredito que pouco era utilizado, para não se dizer nada. Com o sistema que aprendi na Arata Academy do Seiiti Arata, aprendi a eliminar coisas desnecessárias. Nao só fallows… mas também roupas, objetos. Para que ficar isso se não tem serventia? Doe isso para alguém que realmente vai precisar.

    Responder
    • Felipe,

      Cortar o supérfluo para focar no que importa. Esse é o princípio da Dieta de Informação e também parece ser o desse sistema que você aprendeu com o @seiiti

      Obrigado por participar!

      Responder
  2. Durden,

    Estudo Publicidade e Propaganda, além de ter afinidade e querer fazer trabalhos com Design, Fotografia e, por que não, Cinema. Em suma, todas são carreiras “criativas”. A capacidade de originalidade, desenvolvimento de algo surpreendente e único, não ficará prejudicada se nos fecharmos ao mundo ? Não digo para sermos aficcionados pelo supéfluo, mas de deixar aberto um caminho onde se tem o potencial de extração de algo valioso, agora ou futuramente.

    Responder
    • Renan,

      Se você trabalha com comunicação, não dá para seguir a dieta de informação sem prejudicar o próprio trabalho. A sacada nesse caso seria buscar filtrar tudo o que está vendo, para poder diferenciar o que é um desejo/necessidade próprio e o que é algo que alguém tentou incutir na sua cabeça. Bem difícil…

      Obrigado por participar! :)

      Responder
  3. Iniciei a dieta de informações cortando apenas o basico.
    Assisto dois programas na teve aberta e sigo 2 sites ( mude.nu e um sobre noticias).
    Assim como o Renam também sou estudante de Publicidade e nescessito estar bem porem os site que sigo me suprem essa nescessidade e quando não, busco por informações expecificas na net.
    Acredito que a diéta de informações é semelhante a uma dieta convencional ex: Não devo cortar todos os carboidratos, apenas os de pior qualidade.

    Responder
  4. Iniciei a dieta de informações cortando apenas o basico.
    Assisto dois programas na tv aberta e sigo 2 sites ( mude.nu e um sobre noticias).
    Assim como o Renam também sou estudante de Publicidade e necessito estar bem informado, porem os site que sigo me suprem essa necessidade e quando não, busco por informações especificas na net.
    Acredito que a diéta de informações é semelhante a uma dieta convencional ex: Não devo cortar todos os carboidratos, apenas os de pior qualidade.

    Responder
  5. Eu já praticon a dieta de informacão: Nào assito TV, revistas compro as que realmente me interessam (não tenho assinatura)e na internet meu acesso é limitado: pesquisas necessárias (cursos, etc)mas o que me corrompe é o Facebook, … tenho que limitar este uso>

    Assumo que meu consumo ficou mais moedrado e qualitativo, bem como asw minhasa informacões, … e como postaram ainda todas as informacões que não assisto, as pessoas se encarregam de me contar, … taxis, colegas, familiares, tenho mais qualidade nas minhas informacões, conteúdo, … sinto melhorias, … isso já faz uns três anos!

    Responder
  6. Ótimo artigo! O Ferriss tem muito a nos ensinar

    Responder
  7. Esse artigo é perfeito!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *