Um Certificado de Depósito Bancário, ou simplesmente CDB, nada mais é do que um empréstimo que um cliente faz a seu próprio banco ou instituição financeira. Como todo empréstimo, ele deve ser devolvido com juros, o que transforma o CDB em uma boa opção de investimento de baixo risco.

Isso surpreende muita gente porque, da maneira como os bancos colocam, parece até que o CDB é algo que o banco está nos oferecendo. Na realidade, ele apenas está nos pedindo dinheiro e usando as taxas de juros para nos convencer a emprestá-lo.

Os bancos dependem dessa captação de recursos para poder oferecer a outros clientes opções como financiamentos e empréstimos. Pense que, para usar o seu dinheiro, o banqueiro estará lhe pagando uma espécie de aluguel, que são os juros.

Mas será que os Certificados de Depósito Bancário são uma boa opção de investimento? Depende do valor a ser emprestado, do banco e do momento econômico que o Brasil estiver atravessando.

Valor a ser emprestado

Em regra, quanto mais dinheiro você tiver para emprestar ao banco através do CDB, melhor será a taxa de juros oferecida. Isso acontece porque clientes com grande poder de investimento facilitam o trabalho do banco em captar recursos.

Cada aplicação que você fizer em um Certificado de Depósito Bancário terá um contrato específico, com prazo e condições. O CBD não funciona como um fundo de renda fixa, por exemplo, em que as aplicações seguidas vão sendo acumuladas.

O banco

Por paradoxal que possa parecer, os bancos de menor porte oferecem geralmente taxas de juros mais atrativas para CDB do que os bancos grandes.

Isso ocorre porque esses bancos menores possuem menos opções de captação de recursos. Logo, precisam oferecer juros maiores para atrair clientes que lhes emprestem algum dinheiro.

O momento econômico

A mesma regra vale para a tal “conjuntura econômica” de que os especialistas tanto falam.

Se o Brasil estiver atravessando um bom momento na economia, pode haver mais gente querendo abrir empresas, realizar obras, comprar coisas. Logo, o banco pode precisar de mais recursos e assim oferecer taxas de juros mais altas para captar mais dinheiro através de CDB.

Regras e impostos

Os CDBs podem ter juros pré ou pós-fixados. No primeiro caso, você saberá de antemão qual a taxa que irá remunerar nosso empréstimo até a data de vencimento. No segundo caso, apenas escolheremos um indicador e saberemos na data de vencimento a taxa de juros.

No pré-fixado, o perigo é os juros da economia subirem muito durante o período de investimento, o que levaria a rendimentos inferiores aos do mercado, embora sempre positivos. No caso dos pós-fixados, esse risco e o do aumento da inflação são amenizados.

Outro detalhe é que, nos CDBs, os impostos só são descontados no resgate do dinheiro ou no final do contrato. Isso permite que o dinheiro não tributado continue gerando lucros, sofrendo a mordida dos impostos somente no final do empréstimo.

Receba as atualizações

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *