A leitora Patrícia Karine, 15, pergunta: “Gostaria de pedir ajuda de vocês, pois acho que minha vida é muito sem sal. Gosto de desafios e não estou mais aguentando viver assim tão superficialmente. Sempre as mesmas coisas. Eu sinto como se houvesse algo dentro de mim que não consigo expressar, pôr para fora”. Como mudar a vida de uma pessoa assim?

Patrícia, esse problema que você relata é muito comum. Praticamente todas as pessoas acreditam que suas vidas poderiam ser muito mais do que realmente são.

Existem dois caminhos para solucionar esse problema.

O primeiro é você procurar deixar tudo exatamente da maneira como acredita que as coisas devem ser.

Você precisaria nesse caso mudar seu corpo, sua conta bancária, suas roupas, a maneira como interage com as pessoas. Precisaria mudar a escola ou o trabalho. Talvez precisasse mudar até coisas com o governo, o clima, o comportamento do seu chefe ou da sua professora.

Essa é a maneira com a qual a maioria de nós tende a lidar com o problema da insatisfação. Saímos querendo mudar tudo ao redor, para que tudo o que queremos aconteça e tudo o que não queremos simplesmente não aconteça. Essa é a razão pela qual livros de auto-ajuda e revistas sobre mudar o visual vendem tanto.

Como se percebe, é um caminho perigoso. Não conheço ninguém, nem as pessoas mais ricas e poderosas do mundo, que tenha uma vida em que tudo o que deseja aconteça e tudo o que não deseja não aconteça.

Botão para mudar a vida

Pressione o botão e deixe tudo como você quer

Digamos, entretanto, que vocè seja um ser especial e que consiga ajustar todos os fatores externos para que fiquem exatamente como você queira.

Tenha certeza que assim que você conseguir isso, novos problemas surgirão. E aí lá vai você de novo, buscando deixar tudo perfeito outra vez. Você passará a vida enxugando gelo, rodando uma roda que não sai do canto.

Outro caminho para mudar a vida

O segundo caminho é concentrar tudo em um único ponto: a maneira como você encara a realidade.

Em vez de tentar mudar todos os fatores externos, você cuida de apenas um problema: sua percepção em relação a esses fatores externos.

Não conhecemos você, mas sabemos que no mínimo é uma garota de 15 anos, alfabetizada, com acesso a internet e em plena posse das faculdades mentais. O que você considera como uma vida sem sal é um sonho de vida para a maioria dos habitantes do planeta, só pelos fatos que citamos.

A sugestão que deixamos é que em vez de ficar centrada em você mesma, lamentando a vidinha sem sal que leva, busque modificar a maneira como você percebe a realidade. A melhor maneira de levar uma vida foda é não ficar apegada a ideia de ter uma vida foda.

O como fazer isso é mais complicado. Sugerimos que busque leituras e ensinamentos de pessoas que já passaram por esse problema. Livros básicos do Dalai Lama, como A Arte da Felicidade, são um bom começo. Quando você tiver mais experiência, pode encarar gente mais complicada como Arthur Schopenhauer ou Baruch Spinoza.

Receba as atualizações

1 Comentário

  1. Patrícia, estou ouvindo um AudioBook bem interessante, que acho que lhe seria bastante útil, se estiver interessada o Título é Heróis de verdade e o link para download é este: http://www.megaupload.com/?d=4F1H8NWO

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *