A dica mais importante sobre economizar dinheiro que posso passar é recomendar que você mude sua percepção quanto ao significado das coisas materiais. Quando tiver vontade de comprar algo, pergunte a si mesmo: “eu realmente preciso disso?” “Não há uma solução mais barata?”

No início, quando ainda não tinha o completo do domínio da minha mente neste aspecto, eu reagia imediatamente dando uma voltinha. Nunca comprava logo. Combinei comigo mesmo que a voltinha deveria ser minha reação, não comprar o objeto.

No aconchego do meu sofá, com a mente mais centrada, longe da tentação, conseguia chegar a uma conclusão mais racional. E pra dizer a verdade, quase nunca voltava pra comprar o que estava querendo.

Chegou um dia em que o tempo entre a decisão de dar uma voltinha e a negação da compra diminuíram significativamente até se tornarem um só. Hoje não penso mais. Simplesmente dominei a situação. É uma técnica que exige paciência, mas que qualquer um pode conseguir.

Não é inteligente associar felicidade ou amor a bens materiais. Não desconte suas frustrações, nem suas alegrias no cartão de crédito. São apenas bens. Você vai comprar, o tempo vai passar, você vai enjoar e terá que comprar outro. É um ciclo.

Ao tratar objetos como simples objetos, você sentirá uma sensação de liberdade incrível, pois cairá na real que sua felicidade está aí, dentro de você, não na loja mais próxima. Vá atrás de prazeres mais sutis, como ter um orçamento equilibrado e um futuro mais seguro. Quando aprender isso, mesmo os bens que possuir terão um significado especial.

dinheiro-fusca

Dito isso, gostaria de, ainda assim, deixar algumas dicas de cunho mais prático.

  • Corte as beiradas. Todos temos nossas beiradas no orçamento. Vasculhe suas contas de consumo, pode ser que você ache uma taxa que você nem sabe o significado. É um exemplo de beirada. Outro exemplo é o cafezinho na rua. Deixe pra tomar café em casa. Corte as besteirinhas.
  • Fique self. Se você é menina e gasta muito dinheiro no salão, uma boa pedida pode ser reduzir os gastos com beleza. Aprenda a fazer sua unha. Aprenda a fazer, você mesma, sua escova. Salão é um dos itens que mais corrói o orçamento. Aos meninos, engraxe seu sapato e faça sua barba em casa. Para todos, faça a faxina de casa você mesmo. Você não vai morrer por isso.
  • Soluções gratuitas ou baratas para suas vontades. Se você quiser se exercitar e está duro, caminhe ou corra ao ar livre. Faça exercícios sozinho. Barra, paralela, abdominal e agachamento podem ser feitos em qualquer pracinha. Quer fazer um curso de idiomas? Há vários cursos excelentes e gratuitos (ou quase), como o Duolingo e o Livemocha. Há semelhantes em outras áreas. O site Coursera, por exemplo, oferece, além de cursos livres, especializações em universidades renomadas do mundo, tudo isto on-line e a um preço módico. Outro nome é o Veduca, site brasileiro semelhante ao Coursera. Enfim, seja criativo.
  • Bancos. Transfira toda sua vida financeira para um banco e chore a redução da taxa de manutenção. Há pacotes com serviços bem limitados, mas gratuitos. Basta pechinchar e pesquisar.
  • Não negligencie os juros. Tente não utilizar de financiamentos. Os juros são, quase sempre, exorbitantes. Só a título de exemplo, se você financiar um telefone celular, os juros costumam a chegar 50% ao ano! Faça as contas. Em dois anos você pagaria dois celulares. Caso seja necessário financiar algo, informe-se sobre o Custo Efetivo Total (CET) do financiamento, que é a taxa de juros real, aí embutida outras tarifas.
  • Telefone. Prefira os pré-pagos e mais simples. A conta sai bem mais barata. Você realmente precisa de smartphone? Você realmente precisa ficar conectado o dia todo? Não dá pra esperar chegar em casa para acessar a internet?
  • TV a cabo. Dependendo do seu pacote, você pode estar pagando muito caro. Uma boa opção é a utilização de serviços mais baratos do tipo streaming, como o NETFLIX, por exemplo.
  • Cultive hábitos simples. Você não precisa usar roupa de marca ou comer fora todo final de semana para ser feliz. Cozinhe em casa, chame os amigos. Divida os custos. Faça um jantar coletivo. Vai ser mais divertido e mais barato. Utilize roupas mais simples.
  • Cartão de crédito. Não parcele suas compras. Não estou nem entrando no mérito de parcelar a fatura do cartão, porque, como você já deve saber, os juros são astronômicos. O que chamo atenção aqui é para você não parcelar suas compras. Há um efeito psicológico terrível por trás disso. Ao parcelar algo em 10 vezes sem juros, como propagandeiam por aí, tenho certeza que no quinto mês você nem vai se lembrar do que comprou direito. Vai acabar comprando mais. E depois mais. Quando menos notar, você estará com uma série de parcelas acumuladas para pagar. Se você perceber, essas compras quase sempre são de itens de pouco valor agregado. Algo que você não precisa de fato. Dê a voltinha. Pense com calma. Se precisar realmente parcelar algo (minha geladeira queimou), opte por menos parcelas.
  • Não queira parecer rico, seja rico. Se você não tem dinheiro para comprar um tablet bacana, não compre! Não ostente! Não se endivide apenas para parecer ser rico. Seu dinheiro será melhor aplicado num curso que tem potencial para elevar sua renda ou mesmo no montante destinado a sua aposentadoria. Isso sim vai lhe fazer mais rico.

Todas as tentações são feitas para testar seu poder de escolha. Para tornar você uma pessoa melhor e mais forte. Viver num orçamento equilibrado vai lhe trazer mais tranquilidade e condições de aplicar sua energia em algo mais produtivo.

Receba as atualizações

Publicado por

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *